O “efeito 1914”: a ameaça de guerra mundial feita pelo mercado financeiro

2
03:13:00
Exército Sírio: Sputnik, publicado na EBC


Ao contrário do que diz a The Economist, é o império, com sua globalização, que ameaça fazer guerra, seja na Síria, nos Bálticos, na Ucrânia, no Mar da China, ou com terroristas mundo afora para aumentar a tensão e apontar como culpados o nacionalismo, o populismo, a defesa da soberania nacional.

Texto meu publicado agora no Brasil Debate, ao lado dos de Fernando Nogueira Costa e Roberto Amaral, entre outros. Uma crítica a um artigo recente da The Economist, na verdade uma ameaça de guerra através de um dos portais do mercado financeiro internacional.


DO BRASIL DEBATE (com todos os hiperlinks agora devidamente adicionados)


O “efeito 1914”: a ameaça de guerra mundial feita pelo mercado financeiro




A revista The Economist publicou recentemente um artigo onde vê ocorrer agora uma contra-reação ao projeto de globalização bem-sucedido nas últimas décadas, tal como no século passado a mesma contestação ocorreu contra uma “primeira globalização”. O “efeito 1914” aludido na seção chamada Buttonwood (referência à arvore debaixo da qual se fundou Wall Street), dedicada aos assuntos do mercado financeiro, seria a reação representada principalmente pela eleição de Trump e pelo Brexit aos progressos dessa suposta globalização. Em 1914, a emergência de um tipo particular de nacionalismo foi o estopim, mais do que o assassinato do arqueduque Franz Ferdinand, para a eclosão da Primeira Guerra. Os progressos do livre-mercado, de 1980 a 2008, agora contestados, poderia nos levar a uma outra guerra mundial num curto espaço de tempo. 

A história narrada na revista é interessante na medida em que culpa os inimigos errados. Quer dizer então que a globalização, ou seja, a força que move o imperialismo hoje, é contra a guerra, ao contrário de 1914? Trump é um perigo (por isso, Russian-gate), o Irã (novamente a mesma história...) e a China via Coreia (e nada da ocupação estrangeira no Mar da China?). O projeto de globalização, de unificação de mercados e não de povos, de uma união política forçada por uma união monetária, falha na Inglaterra e, logo, quem se expressa são eleitores reacionários, nacionalistas que beiram a xenofobia e abominam o “progresso”? O fato da União Monetária Europeia entrar em crise pode deslanchar uma guerra? Isso parece mais uma ameaça da The Economist do que um alerta. 

A China propõe amplos projetos de desenvolvimento conjunto com o projeto da Nova Rota da Seda, com altos níveis de tecnologia aplicados, fora seu programa espacial, e a saída seria a criação de novas tecnologias? Mas aonde? Com o Vale do Silício, que não dá emprego a ninguém com as famosas empresas “.com”? Com mais financeirização da economia, com os contínuos resgates bancários, das imposições da Troika, da lei Dood-Frank, dos Q.E. de Obama? Com trilhões em derivativos, resultado dessa mesma política dos "muito grandes para falir", se amontoando cada vez mais e ameaçando uma crise de liquidez ainda maior? Não dá para ler qualquer texto da The Economist sem o mínimo argumento crítico. Para eles, a era de ouro é a de Regan e Tatcher até a crise de 2008, quando sua hegemonia foi colocada em questão: com Trump, com Brexit, com a parceria russo-chinesa e, ainda antes, com todo o ciclo da esquerda sul-americano, iniciado com Chávez, e que trouxe para o palco da política mundial tantos "populistas", quiçá terroristas, na verdade uma leva de “corruptos” como se costuma chamar todos dessa corrente política? Tudo fora da desregulamentação desenfreada para eles não vale. Logo, é o Império novamente, com sua globalização, que ameaça fazer guerra, seja no front sírio, nos Bálticos, com as provocações na Ucrânia, no Mar da china, e espalham uma rede de terroristas (atentados que flertam com o fake, com os não-fatos, com os simulacros) mundo afora para fazer aumentar a tensão e novamente apontar como culpados o nacionalismo, o populismo, a defesa da soberania nacional. 

Podemos recontar com outros nomes, com outras referências, a história ou a ameaça velada nas páginas da revista dos financistas britânicos: McKinley foi assassinado em 1901, último presidente da facção de Lincoln; Bismarck, que de uma plataforma liberal adotou o protecionismo no estilo dos EUA do séc. XIX (dos irmãos Carey, de Frederich List) e também industrializou seu país, foi demitido. O império tinha que colocar a Rússia contra a Alemanha, então acéfala, e financiar boa parte do bolchevismo para manobrar a política russa com mais facilidade. As provocações da virada do século XIX para o XX foi um meio de o império fazer romper esse jogo virtuoso, com Bismarck, a continuação das políticas de Hamilton e Lincoln, com a parceria entre Sergei Witte e Gabriel Hanotoux para a construção da ferrovia transiberiana e do projeto ainda não levado a cabo, a ferrovia que ligaria Berlim a Bagdá (a mesma interligação euroasiática prevista nos projetos da Nova Rota da Seda). Estes foram os projetos, nacionalistas, que deram a dinâmica econômica ao século XIX. 

A Primeira Guerra foi um modo de interromper esse ciclo; a Segunda Guerra, a de estabilizar o mercado financeiro com governos altamente militarizados, daí a generosidade dos bancos estrangeiros com a dívida alemã depois que Hitler assume o poder, daí também seu patrocínio por grandes fundos, com os da família judia dos Warburg, o papel da Prescott Bush na venda e financiamento de armas para o regime nazista, e o silêncio de Churchill até Hitler perder o controle e se voltar não apenas contra a Rússia, que era o objetivo, mas contra a Europa. Sem a liderança de Roosevelt, o "homem esquecido", talvez os planos britânicos tivessem dado certo e a potência euroasiática, a Rússia, e o país mais industrializado da Europa, teriam se destruído para a glória da Grã-Bretanha e de seus livres-mercadistas. Não dá para engolir as palavras do império, mais uma louvação da globalização, mais um lixo - e uma ameaça grave - produzida direto da City de Londres e de seus porta-vozes em Wall Street, a revista The Economist. Com certeza, sem um nítido projeto nacional e de coopeação entre os povos, como na parceria BRICS, orientado para o futuro, continuaremos convivendo com a desintegração financeira e com as ameaças de guerra. Continuaremos vivendo o contínuo conflito social que hoje é realidade em quase toda a América do Sul, porém não menor nos EUA dos desempregados e subempregados, da epidemia de drogas e suicídio entre a classe-média, e na Europa que tem contra seu “projeto” a crise de imigrantes, todo o lado leste de sua fronteira que é ignorado cegamente desde a suposta vitória das liberdades democráticas ocidentais com a queda do muro de Berlim.

Para acessar a tradução do texto da revista The Economist clique aqui.

Sobre o autor

Rogério Mattos: professor, escritor e petralha de plantão

2 comentários:

  1. a terceira guerra mundial vai ser sim por causa de agua e dinheiro, e o que resta é aceitar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho bem fatalista essa visão. Não que não seja bem atual o perigo, porém não se resume em dinheiro ou no mito dos "recursos escassos". Quem promove a guerra tem o domínio sobre a maior parte do dinheiro e boa parte dos recursos naturais. É uma questão populacional e de conceito tecnológico e do progresso humano.

      Excluir

Licença Creative Commons
O Abertinho de Rogério Reis Carvalho Mattos está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://oabertinho.blogspot.com/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://oabertinho.blogspot.com.br.