Tropas dos EUA na Amazônia: se cumpre o sonho americano

As tropas norte-americanas
Pela primeira vez na história tropas dos Estados Unidos participarão em um exercício militar no coração da Amazônia. Trata-se do AmazonLog, que ocorrerá entre 6 e 13 de novembro em Tabatinga, cidade situada na orla esquerda do rio Solimões, na triple-fronteira entre Peru, Brasil e Colômbia.
Por Raúl Zibechi, retirado da BibliotecaPleyade.net
Los ejercicios militares no tienen precedentes en América Latina.
La propuesta tomó como referencia la operación de la OTAN realizada en Hungría en 2015, que desplegó 1.700 militares en una simulación de ayuda logística.
Los objetivos consisten en el control de la migración ilegal, la asistencia humanitaria en grandes eventos, operaciones de paz en regiones remotas, acciones contra el tráfico de drogas y los llamados ‘delitos ambientales’.
“El lugar elegido fue Tabatinga porque queremos mostrar al mundo las dificultades de nuestra Amazonía”, dijo el general del Ejército de Brasil, Guilherme Cals Theophilo.
No dijo que mostrarán también los secretos mejor guardados de la región considerada el pulmón del planeta, la más rica en agua y biodiversidad.
Agregó que se trata a la vez de enseñar cómo los bosques tropicales son útiles para “un debate científico y tecnológico” relacionado tanto con la paz como con la guerra.

Han sido invitadas las fuerzas armadas de,
  • Colombia
  • Argentina
  • Bolivia
  • Perú
  • Ecuador
  • Chile
  • Uruguay
  • Estados Unidos
  • Panamá
  • Canadá
Entre los países con Gobiernos de izquierda ha sido Bolivia el primero en confirmar su participación.
También ha sido invitado el Consejo de Defensa Suramericano (CDS), perteneciente a la UNASUR, así como la Junta Interamericana de Defensa situada en la órbita del Pentágono.
La realización de estos ejercicios supone tres cambios importantes, dos de ellos afectan directamente a Brasil y el tercero a toda la región.

El primero es que Brasil había sido hasta ahora muy celosa en la custodia de la Amazonía.

Un mensaje que circula entre militares dice:
“Invitar a las Fuerzas Armadas de EE.UU. para hacer ejercicios conjuntos con nuestras Fuerzas Armadas, en la Amazonía, es como un crimen de lesa patria.
Enseñar al enemigo cómo combatirnos en la selva amazónica es alta traición”, según divulgó el periódico Zero Hora.
Nelson Düring, director de la página militar Defesnet.com.br, señala que los ejercicios son,
“un retroceso que confunde la inserción brasileña en asuntos internacionales”.
El experto en temas militares recuerda que,
“hasta ahora no eran aceptados militares extranjeros en el Centro de Instrucción de Guerra en la Selva (CIGS). Ahora ya tenemos norteamericanos, europeos y hasta chinos”.
Concluye en sintonía con las voces críticas:
“Brasil debe preservar sus secretos”.
Los sectores nacionalistas de las Fuerzas Armadas temen que la base multinacional temporal que se establezca en Tabatinga, pueda convertirse en permanente, como sucedió en Hungría en 2015.
En segundo lugar, AmazonLog 2017 refleja una inflexión en las relaciones militares entre Brasil y Estados Unidos.
En 1952 se firmó un acuerdo militar entre Brasil y Estados Unidos, rubricado por los presidentes Harry Truman y Getulio Vargas, para el intercambio de armamento por minerales estratégicos como uranio.
Era un momento de fuertes presiones de Washington sobre Brasilia para impedir el desarrollo de tecnología nuclear propia.

El 11 de marzo de 1977 el presidente militar Ernesto Geisel denunció el tratado, ya que el Gobierno de Jimmy Carter interfirió en los asuntos internos con el argumento de la defensa de los derechos humanos.

En 1989 esa distancia se incrementó.
Joao Roberto Martins Filho, ex-presidente de la Asociación Brasileña de Estudios de Defensaseñala que,
“desde el fin de la guerra fría Brasil se separó de EE.UU., que era un aliado estratégico y de repente comenzó a actuar como superpotencia única. Eso provocó una reacción de hiperdefensa de la Amazonía”.
A EEUU le sobran bases militares https://t.co/hM6aCqehTt pic.twitter.com/XaDYFyC5ZC

— Sputnik Mundo (@SputnikMundo) 8 de fevereiro de 2017

 ​Con la llegada de Donald Trump y de Michel Temer a la presidencia de EE.UU. y Brasil, las relaciones están cambiando.
Los ejercicios conjuntos de noviembre son apenas la parte más visible de un acercamiento en el área de defensa.
En marzo el jefe del Comando Sur, Clarence K. K. Chinn, fue condecorado en Brasilia con la Medalla al Mérito Militar y visitó las instalaciones del Comando Militar de la Amazonía donde se realizarán los ejercicios AmazonLog.
La principal empresa brasileña de defensa, Embraer, cerró un acuerdo en abril con la estadounidense Rockwell Collins en el área aeroespacial y el Comando de Ingeniería, Desarrollo e Investigación del Ejército de EE.UU. abrió una oficina en Sao Paulo, para profundizar en las relaciones de investigación e innovación de tecnologías de defensa.
El 3 de abril el Ministerio de Defensa de Brasil anunció que está desarrollando un “proyecto de defensa” conjunto con EE.UU., según informó CNN.
Por último, se registra un paso atrás en el proceso de integración regional.
En el marco de la UNASUR, espacio sudamericano en el que no participa Estados Unidos, se creó en 2008 el Consejo de Defensa Suramericano con el objetivo de consolidar una zona de paz suramericana, construir una visión común en materia de defensa y articular posiciones regionales en foros multilaterales.
El CDS apuntaba hacia la autonomía regional en materia de defensa y consolidaba la ruptura con el Tratado Interamericano de Asistencia Recíproca (TIAR) creado en 1947, que refleja la dominación de EE.UU. sobre el continente.
El TIAR se deslegitimó durante la guerra de las Malvinas (1982) ya que EE.UU. apoyó a Inglaterra.
Con los años, varios países se salieron del TIAR:
  • Perú
  • México
  • Bolivia
  • Cuba
  • Venezuela
  • Nicaragua
  • Ecuador
Ahora el nuevo Gobierno de Brasil invita a los ejercicios AamazonLog tanto al CDS como a la Junta Interamericana de Defensa que pertenece a la OEA.
De ese modo, se legitiman los espacios en los que participa el Pentágono y se diluyen los espacios propios de la región sudamericana.
Un juego nada sutil en momentos críticos en que la región necesita establecer distancias con Washington y afirmar su identidad…

Atos de guerra imperial: por uma teoria da guerra total, nuclear ou não

O Times confunde a Igreja Ortodoxa Russa com o Kremlin e diz que estão tomando posse da Casa Branca.



Guerra e mais guerra, guerra por todas as partes. Uso desproporcional de força militar, ameaças armadas em todos os lugares do mundo cujos princípios ideológicos não sejam os do império. Ameaça armada a quem defende no Brasil a democracia: sem os metrôs abertos das manifestações CBF (o antro da moralidade pública e onde o “povo” lava a alma nos estádios agora devidamente gourmetizados), com muito gás de efeito moral, spray de pimenta, cassetetes, etc. Ameaça armada, é bom lembrar, com a reativação da Quarta Frota americana quando começamos a desenvolver de fato o pré-sal. São muitas as frentes de guerra do império. Guerra econômica à Rússia através do uso de sanções (que acabaram por dinamizar muitos dos setores da economia russa), ou pior ainda, a manipulação dos preços do petróleo através da aliança dos ocidentais, nos neocons, dos atlantes, dos ultras, com seus parceiros nas monarquias do Golfo Pérsico. Guerra climática, HAARP, na prolongada seca que atingiu o Brasil nos últimos anos, responsável pelo aumento da inflação (um dogma neofascista), basicamente resultado dos preços controlados – a energia – e dos problemas com a produção de alimentos que levou à oscilação do preços destes por causa de sucessivas más colheitas.  Atos terroristas ou supostamente terroristas mundo afora, aumentando a histeria global sobre o “fundamentalismo” e seus parceiros, fundamentalmente os países do eixo asiático. Em que medida a clássica “guerra de aniquilação”, de Hitler e Stálin, se difere da guerra total, tal como a vivemos atualmente? O que seria, por outro lado, uma guerra de aniquilação sob o pano de fundo da guerra total, ou seja, uma guerra de aniquilação do século XXI? Seria essa uma hipótese válida? Como descrever hoje o termo genocídio e quais seus possíveis desdobramentos no futuro próximo?

Continue lendo “Atos de guerra imperial: por uma teoria da guerra total, nuclear ou não”

Quem tem medo da Nova Rota da Seda?

Nunca seremos iguais!
Republicamos nossa postagem da tradução/legenda feita por mim para a Executive Intelligence Review sobre a Nova Rota da Seda, agora com o debate inevitável que apareceu logo depois do pulo de audiência do vídeo com a divulgação pela mídia hodierna da iniciativa chinesa. Segue o vídeo e a transcrição do diálogo com os incautos navegantes.

Você já ouviu falar da antiga Rota da Seda que conectava a China a Europa através de uma longa rota de viagem. Foi pelo comércio de seda, da porcelana e de livros impressos, porém mais importante que os bens foram as trocas em tecnologia. A antiga Roda da Seda trouxe enormes benefícios econômicos para todos os países participantes, mas foi também uma troca de ideias e de bens culturais. Hoje a China está oferecendo uma nova Rota da Seda e uma Rota da Seda Marítima, em que já estão cooperando mais de 60 países. A China realizou um milagre econômico nos últimos 30 anos, algo que os países desenvolvidos precisaram de 150 a 200 anos para fazerem. Agora a China está oferecendo esse mesmo modelo para todos os países que queiram cooperar com essa perspectiva. A Nova Rota da Seda é baseada na perspectiva “ganha-ganha”, isto é, cada país que participar terá benefícios culturais, políticos e econômicos iguais. Essa é a verdadeira ideia para a superação da geopolítica, o mal que causou duas Guerras Mundiais no século XX. Ela oferece a perspectiva de um verdadeiro desenvolvimento global em parceria para que toda a humanidade trabalhe junto pelos anseios comuns da humanidade.
Veja esse vídeo e você terá noção de como é fácil mudar o mundo para melhor.
I. M.: Apenas uma etapa da NOM…. nada mais…
Rogério Mattos [eu]: Pô, Irineu, até poderia ser uma resposta simples assim. Mas esse novo paradigma deve ser estudado, até com relação ao próprio desenvolvimento econômico interno da China. É a oportunidade deles de conseguirem produzir por conta própria projetos de alta tecnologia, o que soma a Nova Rota da Seda ao programa espacial chinês, que pretende manter uma base num dos polos da Lua e explorar o chamado “lado escuro” do satélite. É uma oportunidade de cooperação entre as nações, contra a geopolítica, da política de “mudança de regime”, das chamadas “guerras por procuração”, como se fazem no Oriente Médio, como se forçam como na questão da Coreia, da Ucrânia, com a expansão da OTAN no leste europeu, etc. Ainda assim, caso se considere o programa OBOR (One Belt One Road) como NOM (nova ordem mundial, não é isso?), ou seja, como “mais do mesmo”, deve ser estudado, já que a NOM não será mais a mesma caso a China dê o salto tecnológico a que aspiram. Sempre acho uma pena quando um programa que parte de paradigmas fora da loucura do confronto leste-oeste, ser considerado com pessimismo. A única coisa que peço a esses é que estudem mais sobre algo ainda muito desconhecido para nós. Se for para o bem ou para o mal, devemos conhecer até os detalhes.
I. M.: Não é possível acreditar em movimentos globais de cunho excessivamente economicista, em primeiro lugar, sempre o Capital em detrimento do povo…da população…. querem é saquear as riquezas dos povos em nome de uma futura distribuição de riquezas…hj… o homem mais rico do mundo detém 500 trilhões de dólares… nenhuma iniciativa deveria ser tomada neste planeta que não começasse por uma verdadeira, real e efetiva distribuição de riquezas de forma horizontal… e não vertical como está sendo proposta por esta Nova Roda da Seda…
(comentário): haverá alguma refutação sobre a minha? Responda quem for capaz.
Rogério Mattos: Primeiro tem que se provar que a iniciativa de Um Cinturão, Uma estrada (é a tradução para o português mais comum) visa o saque dos povos. Quanto aos 500 trilhões de dólares, não é surpresa tendo em vista o caso do ouro de Yamashita, o episódio do “lírio dourado”, e é fundamentalmente a partir destes fundos (os antigos fondi venezianos, como é organizado o sistema financeiro atualmente) que se dá liquidez ao sistema financeiro, entrópico por natureza, e que sem essas injeções de liquidez já teria se auto-destruído há bastante tempo. O problema, como relata o Daniel Estulin no Conspiración Octopus, é que resolveram zerar a conta dos bancos, tirar esse vínculo com a liquidez ilimitada, tendo em vista a produção de uma devastadora crise econômica, já que tiraria a solvência dos bancos e levaria, como levou, a uma transferência massiva de recurso como o realizado com as políticas de Quantitative Easing na Europa e nos EUA. Há de se provar que a Nova Rota da Seda, toda ela voltada à construção do desenvolvimento, à produção na economia física e não na virtual, irá produzir qualquer tipo de bilionário ou trilionário. Quanto à distribuição de riquezas, acho que o conceito melhor é o de multiplicação de riquezas, fazer os investimentos gerarem trabalho e bem estar, num plano de todo superior ao Plano Marshall, por exemplo, e ainda mais audaz que o de Roosevelt na década de 1930 ou o de Lênin, que também não ignorou o papel do desenvolvimento tecnológico. A “verticalidade’ da Nova Rota da Seda pode ser resumida num conceito chamado de “science driver”, uma direção científica para resolver os problemas de integração entre os continentes e de reconstrução de cidades antigas e/ou devastada por guerras. E é bem “horizontal” no sentido em que pede a todos os países para participarem do projeto, aportarem mão-de-obra, capitais, ideias, etc. Frente à política de confronto leste-oeste, deslanchada de maneira nunca vista depois do 11/09, com a guerra do Iraque, etc., e todo o confronto anti-russo, anti-asiático de um modo geral, uma nova guerra fria de fato, super quente, um paradigma para colaboração entre os povos não pode ser “vertical”, quanto menos imperialista.
(e o amigo que só respondi depois desse post): que pena que o Br não está na lista
Estará, meu amigo, apesar de tudo. Sempre fomos Brics e não invejaremos um suposto Rics.