Épuras do social: como podem os intelectuais trabalhar para os pobres

Joel Rufino dos Santos chama os intelectuais a refletir sobre sua posição no processo produtivo. Não é um pedido para que somente o intelectual se compadeça dos pobres ou operários, mas para que os artistas e escritores se vejam num solo comum onde tanto o intelectual burguês ou acadêmico quanto o intelectual dos pobres (Paulo da Portela, Adoniran Barbosa, Carolina Maria de Jesus) se vejam como produtores de cultura dentro de um conceito ampliado de cultura, onde ágrafos ou analfabetos também compõem o acervo criativo nacional, sem subdivisões em classes. Contra o beletrismo e o diletantismo de intelectuais contentes, Joel Rufino vai mais longe na visão da tarefa do intelectual do que Walter Benjamin em “O autor como produtor”. De toda forma, os dois autores se complementam e pode ser visto assim de forma mais nítida o papel do crítico hoje no Brasil.

O autor como produtor e o intelectual no Terceiro Mundo

Em “O autor como produtor”, Walter Benjamin traça qual são as tarefas do crítico e do artista que militam pelas causas populares. Define uma noção singular de tomada dos meios de produção e de afronta à ordem estabelecida pelo capital. Mais do que defini-lo em uma linha política específica é considerar o radicalismo de suas propostas depois de sua convivência com Brecht. Essa postura só será melhor delineada no ensaio sobre “O narrador”. Assim, é importante ter em vista sua proposta explicitamente política antes de vê-la expressa sob forma estética. Dessa maneira, Benjamin se aproxima muito de formulações de intelectuais do Terceiro Mundo, o que pode ajudar a compor uma crítica da cultura tão ou mais rica das que se faz tradicionalmente a partir de Antônio Gramsci.

Para assistir clique no LEIA MAIS

Continue lendo “O autor como produtor e o intelectual no Terceiro Mundo”

Walter Benjamin e a tarefa do crítico

Walter Benjamin em sua juventude tinha o sonho de ser o maior crítico literário alemão. Tarefa de larga envergadura, porque tinha diante de si toda a tradição de seu país, dos românticos a Nietzsche. Do início ao fim da vida o problema da crítica literária e da crítica de arte ocuparam seus escritos. Como pode ser dividia em diferentes etapas sua visão sobre o papel do crítico? Nesse vídeo proponho três etapas distintas em que se pode ver melhor a progressão de sua obra.