O corredor econômico China-Paquistão: conectividade e seu futuro

Por Shakeel Ramay, na Executive Intelligence Review

O sr. Shakeel Ramay, do Instituto de Política de Desenvolvimento Sustentável do Paquistão, falou no terceiro painel, “Sudoeste da Ásia: Pivô para a Guerra ou Desenvolvimento Pacífico com a Nova Rota da Seda”, da conferência internacional do Instituto Schiller de 20 a 21 de março, “O Mundo em uma encruzilhada: dois meses para a nova administração. ” A maioria dos slides do Sr. Ramay são omitidos aqui; sua apresentação na íntegra pode ser conferida aqui.

Continue lendo “O corredor econômico China-Paquistão: conectividade e seu futuro”

O Plano Oasis: o desenvolvimento é a chave para a paz no Oriente Médio

O texto seguinte é a transcrição de palestra de Lyndon LaRouche durante uma de suas viagens na década de 1990 na Rússia. Foi onde apresentou pela primeira vez o Plano Oasis para a reconstrução do Sudoeste Asiático. Publicamos esta fonte primária como material de apoio ao artigo de Hussein Haskary, “Justiça para os povos do sudoeste asiático”.

LaRouche dá palestras na Academia Russa de Ciências de Moscou em 28 de abril de 1994.
Continue lendo “O Plano Oasis: o desenvolvimento é a chave para a paz no Oriente Médio”

Justiça para as nações do Sudoeste Asiático

Por Hussain Askary, na Executive Intelligence Review

Hussein Askary é o Coordenador do Sudoeste Asiático do Instituto Schiller. Ele fez a apresentação principal do terceiro painel, “Sudoeste da Ásia: Pivô para a Guerra ou Desenvolvimento Pacífico com a Nova Rota da Seda”, da conferência internacional do Instituto Schiller, de 20 a 21 de março de 2021, “O Mundo em uma Encruzilhada: Dois Meses para a Nova Administração. ”

Hussein Askary
Continue lendo “Justiça para as nações do Sudoeste Asiático”

Dar espaço à Nova Rota da Seda nas Américas

Por Dennis Small, na Executive Intelligence Review

A Ibero-América hoje está sendo assolada por uma pandemia que também assola o mundo. Ela está enfrentando aproximadamente 45% de desemprego real, se você medir o desemprego nos termos de Lyndon LaRouche, de parâmetros econômicos físicos reais. Ela está sendo destruído por um comércio de drogas administrado pelos mesmos interesses financeiros de Wall Street e da City de Londres, que também estão por trás do colapso da bolha especulativa global de cerca de US$ 1,7 quatrilhões. Na verdade, temos uma situação em que milhões de pessoas em toda a região, mas especialmente na América Central e no México, foram impulsionadas pelo tráfico de drogas, pela pobreza e pela miséria em geral, à migração forçada para tentar encontrar a sobrevivência, sustento, ou simplesmente fugindo para salvar suas vidas.

Portanto, se realmente quisermos resolver esses problemas – o que deveríamos estar fazendo nos Estados Unidos – existe apenas uma abordagem que será possível e realmente funcionará. Quando olhamos para isso, existe uma solução direta em mãos, que é a extensão da Nova Rota da Seda nas Américas.

Continue lendo “Dar espaço à Nova Rota da Seda nas Américas”

Porque o Green New Deal deve ser detido

Green New Deal e Great Reset fazem parte da mesma política. Fundos de investimentos gigantescos como a BlackRock se apropriaram de todo e qualquer recursos para a “nova matriz desenvolvimentista” verde. São responsáveis pela gestão dos recursos, ou do dinheiro impresso pelos bancos centrais. Difícil falar do “fim do neoliberalismo” assim, ou seja, com uma aliança entre banqueiros centrais e as velhas aristocracias europeias. E, com essa direção no comando dos investimentos, o foco principal é a Ásia, ou seja, se mantém a velha geopolítica. 0.8% dos 30 trilhões previstos para o “acordo climático” irão para a Ásia… Não existe fantasia alguma quando o império joga. O resto é jogo de cena e a velha demagogia.

Na foto, Zombiden repete via teleprompter as palavras de seus amos.

Continue lendo “Porque o Green New Deal deve ser detido”

Sob violento abalo: a tese X e o pacto nazi-soviético

Diz-se que Walter Benjamin esteve sob violento abalo quando soube que os embaixadores da União Soviética e da Alemanha nazista assinaram um tratado em conjunto, o Ribbentrop-Molotov. Teria recorrido a remédios ao ver que a única esperança de luta contra o fascismo cedeu ao firmar um pacto de não agressão… Essa interpretação serve para um duplo fim: criticar a ação soviética como capitulação diante de Hitler, sem considerar que este foi o último dos tratados que potências europeias e outros países periféricos assinaram com os nazistas o fim de contê-los diplomaticamente. Por outro lado não se atentam que, mais do que em qualquer outro trabalho, a tarefa específica no campo político dos Conceitos sobre a História, de Benjamin, é o de crítica as esquerdas, seja ela de caráter socialdemocrata ou comunista.

Continue lendo “Sob violento abalo: a tese X e o pacto nazi-soviético”

O Novo Pacto para a humanidade não é “verde”, mas humano

Da Executive Intelligence Review

Por Helga Zepp-LaRouche

Está em andamento bem diante dos olhos do público mundial o maior ataque contra o bem comum, que tornará os ricos ainda mais ricos e os pobres ainda mais pobres, e que terá consequências catastróficas: motins de fome e caos social absoluto nas nações industrializadas , genocídio contra os chamados países em desenvolvimento e, na visão da oligarquia financeira, logo se tornará quase inevitável uma terceira guerra mundial dos Estados da OTAN contra a Rússia e a China. Todos esses desenvolvimentos desastrosos serão a consequência, se todos os investimentos forem direcionados para ramos “verdes” da indústria, e uma eliminação completa do investimento ocorrer por meio dos bancos centrais, não apenas da energia nuclear, mas também dos combustíveis fósseis, como no “Acordo Verde” da União Europeia (UE) ou no “Novo Acordo Verde” da administração Biden.

Continue lendo “O Novo Pacto para a humanidade não é “verde”, mas humano”

A verdade por trás do início da II Guerra Mundial

Recentemente, Vladimir Putin anunciou a abertura dos arquivos soviéticos da época da II Guerra. Responde a resolução do Parlamento Europeu que diz que “A Rússia continua a ser a maior vítima do totalitarismo comunista e seu desenvolvimento para um Estado democrático será impedido enquanto o governo, a elite política e a propaganda política continuarem a encobrir os crimes comunistas e glorificar o regime totalitário soviético”. Na atual mudança de eixo geopolítico ou de sistema-mundo para a Ásia, Putin alerta que nunca foi registrado transformação dessa escala na história da humanidade que não fosse seguido por uma guerra de grandes proporções que, nas atuais condições, é impensável.

Assim, chama os países ocidentais a rever a história da II Guerra para que os erros que levaram a ela não se repitam. Sua “virada interpretativa” tira o foco do pacto nazi-soviético e se detém no Acordo de Munique, chamado por Putin de “traição de Munique”. Ao ceder os Sudetos aos alemães, deram as condições territoriais, energéticas e alimentares para o projeto expansionista nazista e os jogaram às portas da URSS. Houve a tentativa de contenção via Ribbentrop-Molotov (o último de uma série se pactos diplomáticos firmados por países como Inglaterra e França), mas esse não foi a causa da guerra, como quis dizer o Parlamento Europeu, mas a complacência e a traição dos países ocidentais que levaram ao confronto das duas grandes potências intracontinentais, o que estava nos planos dos geopolíticos e do Império Britânico.

Continue lendo “A verdade por trás do início da II Guerra Mundial”

Sistema energético europeu afetado pela escolha alemã por fontes “renováveis” de energia

Do serviço de informações da Executive Intelligence Review

Não apenas a Alemanha está enfrentando dificuldades para garantir seu status industrial após a saída da energia nuclear prevista para o final de 2022; toda a Europa sofrerá por causa da incerteza de onde a principal potência industrial europeia obterá seu suprimento de eletricidade no futuro. Os problemas na Alemanha causados ​​pela campanha de energias renováveis ​​já começaram a aparecer: no ano passado houve uma redução de 15% nas emissões de CO2, mas não por causa do aumento do fornecimento de eletricidade proveniente de energia solar e eólica.

Como disse Fabian Hein, da Agora Energiewende, instituição líder em estratégia de transformação de energia, a redução das emissões ocorreu por causa do fechamento de grande parte da indústria no ano passado devido à pandemia. Em outras palavras, o fato de 2020 ter sido o primeiro ano em que a produção total de energia solar e eólica superou petróleo, carvão e gás combinados, mostra que a estratégia verde que afirma que a Alemanha faria bem se dependesse inteiramente de fontes renováveis ​​está falhando.

Além disso, isso é documentado pelo fato de que não só as exportações de eletricidade da Alemanha diminuíram 11,6% em 2020, mas também que ela teve que importar 38,8% a mais de vizinhos europeus porque sua própria geração de energia era insuficiente. As importações foram de 24,2 Twh em 2019, e já 33,6 Twh em 2020 – uma tendência que certamente aumentará e aumentará esse crescimento a partir de janeiro de 2022, quando três dos seis reatores nucleares restantes foram desligados pelo plano de saída nuclear.

Além disso, no verão passado, a França foi incapaz de exportar eletricidade suficiente para sua vizinha Alemanha – o maior cliente estrangeiro da energia nuclear francesa – mas foi forçada a importar da Espanha, que por sua vez teve que importar do Marrocos. Isso mostra que há limites definidos para o que a Cadeia de Suprimento de Energia Europeia, que regula as exportações e importações internas da Europa para seus países membros, pode fazer para manter a indústria alemã em funcionamento.