CIA, Manuela e Araraquara

Com a confirmação de Manuela D’Ávila da invasão de seu celular em 12 de maio, a narrativa da “quadrilha” presa pela Polícia Federal parece achar sua prova de verdade. Porém, com ele não encontramos o fio da narrativa: entramos no mundo de fumo e espelhos, o mundo das agências de espionagem e de seus funcionários, ocultos ou não.

[…]

E a cobra morderá novamente seu rabo

Uma das cenas de apoio a Dilma Rousseff que, infelizmente, mesmo para os “bens pensantes”, foi tratada como uma espécie de Geni…

O governo Bolsonaro estabeleceu um padrão frequente de fracasso: com os objetivos principais de eliminar o PT e recuperar a economia, nada indica que ele caminha para cumpri-los. Portanto, o que ainda sustenta esse governo?

[…]

Carluxo e o subjetivismo do pobre

Uma releitura, 17 anos depois, de um texto clássico de Silviano Santiago. Como comparar o “cosmopolitismo do pobre”, ou seja, sua inserção no mundo globalizado, com a entrada da subjetividade dos pobres em plena praça pública? Carluxo, intelectual orgânico de um novo Brasil, soube responder a esse dilema, fazendo eco a amplos setores da nossa sociedade. Silviano e talvez até mesmo a globalização sequer imaginaram que poderiam chegar tão longe…

[…]

Sobre o atual fenômeno identitário

No seu Twitter, Moro posa com Villas Bôas em 10 de julho de 2019

O realinhamento atual, em especial na América do Sul, da política com os pressupostos dos ultraliberais (liberalismo tradicional + extrema-direita) trouxe à tona novamente as políticas de grupo e o “fascismo amigável” bem-sucedido no norte do Atlântico pode se visto de maneira mais clara nos últimos anos por aqui.

Agora, num “fascismo 3.0”, a mineração massiva de dados e os sistemas de vigilância compõem uma máquina formidável de aplicação dos princípios da engenharia social: a criação de grupos identitários que atuam entre si como numa família e entre os outros através da tática das guerras de gangue contra gangue.

[…]

Intervenção: quando a palavra golpe foi colocada em praça pública

Pude assistir esses dias ao documentário lançado em 2017 chamado “Intervenção – Amor não quer dizer grande coisa”, dirigido por Tales Ab’sáber, Rubens Rewald e Gustavo Aranda. O filme procura retratar o bastidor social da convocação em massa para o golpe de 2016 através do relato de anônimos famosos por seus vídeos postados no youtube.

Caso se possa tirar um retrato entre tantas falas diferentes expostas no filme e correspondente ao que se chama de bastidor social das convocações contra a presidência da república, é a que mostra como a palavra golpe foi colocada definitivamente em praça pública e serviu de bandeira para toda a direita, do alto clero neoliberal ao baixo clero, aquele que coloca em xeque um suposto acaso que teria levado ao naufrágio o Titanic. Sem a reconfiguração do significado da palavra golpe, dificilmente os grupos organizados contra o governo do Partido dos Trabalhadores poderiam se aglomerar.

[…]

Liberais vs. Conservadores: uma história muito recente

Clintons e Cheneys no enterro de John McCain: a oposição nominal é uma forma de manter conflitos aparentes, enquanto trabalham juntos no mesmo projeto político.

A aparente cisão entre liberais e conservadores talvez tenha uma história muito mais recente do que se costuma admitir. Existem diferenças de grau mas não de natureza entre o atual liberalismo e o conservadorismo e, da mesma forma, entre o neoliberalismo e o fascismo. É o que podemos ver em alguns poucos, mas relevantes exemplos, do século XIX ao atual.

[…]

O método do The Intercept segundo seu editor

Recuperar os princípios básicos do jornalismo

Em uma longa entrevista ao Estúdio Fluxo, Leandro Demori, editor-executivo do Intercept Brasil, conta muitos detalhes de como sua publicação fez para controlar e direcionar os jatos que, infelizmente, atingem a cara do sistema judiciário brasileiro (um salve à produtora Brasileirinhas que antecipou o fim que teria a Operação, renomeada como Leva-Jato). A entrevista de Demori é uma autêntica visão geral da suruba que agora está sendo escancarada pelo Glenn Greenwald mas, bem mais importante, nos ajuda a conhecer com mais detalhes como todo o processo editorial vem sendo montado.

[…]

Capitalismo e anarquia

O euro, antes de se justificar como um projeto político, econômico ou social, parece tirar sua legitimidade de uma imaginação toda ela assentada em motivações de fundo histórico-cultural. A Europa foi o palco as duas maiores guerras da humanidade. Palco que se estendeu à imensa Rússia e fez por força inventar a maior reação de todas, a Grande Guerra Patriótica. Mais de 30 milhões de russos mortos…

[…]