Pleníssimo Emprego vs Renda Básica

Renda básica como populismo?

Na reorganização da economia internacional após a crise de 2007-8, a agenda ONU-2030, lançada em 2015, lançou pela primeira vez o que hoje múltiplos atores chamam de “reset” da economia global. Os três pilares, já ensaiados na própria crise acima mencionada, são a emissão monetária massiva, a reconversão industrial em robotização mais economia verde e programas de renda mínima para a população. O projeto ocidental, em linhas gerais é esse.

Frontalmente contra esse projeto, está o projeto da Nova Rota da Seda (se visto da China) ou da Grande Eurásia (Se visto da Rússia). Se voltarmos um pouco no tempo, este projeto potencialmente estava na iniciativa BRICS. Quais seus pilares? Crédito de longo prazo voltado para múltiplos projetos de infraestrutura e conectividade, ciência e tecnologia (incluindo a fusão nuclear e o incremento exponencial dos programas espaciais), parcerias políticas estratégicas multi e bilaterais.

Continue lendo “Pleníssimo Emprego vs Renda Básica”

Da montanha de derivativos a economia de quarentena

Nunca antes na história mundial se produziu tamanha soma de ativos podres quando surgiu a crise financeira de 2007-8. Contudo, as medidas keynesianas tomadas pelos governos ultraliberais europeus e americano hoje parecem uma brisa inofensiva frente a ofensiva quantitativista atual. Até agora foram impressos mais de 5 trilhões de dólares, só nos EUA, com o coronavírus como pano de fundo, contra 15 trilhões de dólares emitidos ao longo de mais de 10 anos que sucederam a crise anterior.

Continue lendo “Da montanha de derivativos a economia de quarentena”

Estado Profundo versus América Profunda

Depois das imensas provocações da OTAN contra a Rússia que tiveram seu auge entre 2014-16, ou seja, até o período da eleição de Trump e do Brexit, cada vez ficou mais claro que a orientação unilateral dos poderes fáticos e financeiros ocidentais sofreu uma ruptura. A campanha anti-Rússia ficou a cargo dos democratas e liberais, enquanto havia uma distensão das tensões militares. Por outro lado, o processo de regionalização das economias ou o anti-globalismo se tornou evidente no Atlântico norte.

Como disse em uma série de outros textos, parecia haver um racha entre as elites. De um lado, uma orientação liberal-financista e outra para o que no nazismo se chamou de “sangue e terra”. O modelo econômico único imposto após o fim da URSS não existia mais. Esse é um movimento relativamente recente e peculiar a Europa e aos EUA: países sem história recente de lideranças públicas comprometidas com o desenvolvimento nacional, muito menos partidos políticos populares organizados, de massa ou o histórico de lutas, como na América do Sul, contra as ditaduras e neoliberalismo. Para eles, em medida maior do que para nós, parece que a única escolha é entre o velho capitalismo ou a anarquia.

Continue lendo “Estado Profundo versus América Profunda”

O capitalismo dependente da república militar e o imperialismo 3.0

O desenvolvimento da dependência (1968-2002)

Com o fim da União Soviética, o mundo passou a viver com um modelo econômico único, o liberalismo dos banqueiros-financistas. No Brasil, o governo do PSDB deixou 64 milhões de pessoas na fome, quebrou o país por três vezes e criou uma política de longo prazo, de amarras ficais (tripé macroeconômico) que ajudaram na contenção das políticas expansionistas e industrializantes dos governos do PT, como também foram os fundamentos econômicos para a guerra midiática diária contra um governo de base popular.

Continue lendo “O capitalismo dependente da república militar e o imperialismo 3.0”

A captura do debate da Auditoria da Dívida pelos economistas acadêmicos

Formou-se um curioso debate entre professores, pesquisadores e pessoas que ocuparam cargos importantes no governo federal – todos economistas de profissão -, com o objetivo de dar maior precisão ao “gráfico em forma de pizza” da Auditoria Cidadã da Dívida. Correndo por fora do debate, pôde ser visto a dedicação do inteligente blogueiro do Cafezinho em corrigir a hipotética inflação do impacto da dívida pública no orçamento público, após a repetição de Ciro Gomes, em live, dos números do “gráfico em pizza”.

Continue lendo “A captura do debate da Auditoria da Dívida pelos economistas acadêmicos”

Ditadura ou Wuhan?

Os teólogos declararam que não podiam definir claramente o que Deus é, mas em seu nome eles ditavam regras de conduta para os homens e não hesitavam em queimar hereges; os virologistas admitem que não sabem exatamente o que é um vírus, mas em seu nome afirmam decidir como os seres humanos devem viver“. Giorgio Agamben, 22 de abril de 2020.

Continue lendo “Ditadura ou Wuhan?”

Se fecham as cidades é porque esqueceram o SUS

Época em que o Brasil exportava conhecimento médico e incentivava a cooperação entre nações. Inauguração de uma fábrica de retrovirais em Moçambique, 2010.

“Fecham as cidades” – é um eufemismo. Trabalhadores de todas as espécies continuam em seus afazeres diários (Correios, mercados, farmácias, comércio, etc.). O “home-office” e o isolamento serve para quantos por cento da população brasileira? Talvez para muitos dos que estão batendo panelas e com o mesmo dilema do editorial do Estadão: “Bolsonaro ou Haddad, uma escolha difícil”.

Continue lendo “Se fecham as cidades é porque esqueceram o SUS”

Fechar fronteiras? Fechar o marcado financeiro!

Franklin Roosevelt é uma figura da história sempre mencionada quando se quer justificar gastos públicos. Seu sinônimo é New Deal. Contudo, jamais é lembrada a lei criada por ele em 1933 chamada Glass-Steagall. Foi uma lei de separação bancária, onde os bancos que trabalham com fundos especulativos não poderiam gerir a poupança e a conta corrente dos cidadãos. Assim, ele pôs sob novas bases o sistema monetário estadunidense e permitiu o boom industrial do país depois da crise de 1929. Decretou um feriado bancário, reorganizou o sistema e inaugurou um amplo projeto de ciência, infraestrutura e criação de empregos. Sem falar da Comissão Pecora, que julgou os crimes cometidos pelo mercado e seus agentes e que culminou na crise de 29, algo que hoje poderia ser de importância similar ao que foi o Tribunal de Nuremberg no pós-guerra…

Fala de Helga Zepp-LaRouche, fundadora e presidenta do Instituto Schiller, em 18 de março de 2020

É absolutamente claro que, depois da montanha russa e as perdas dramáticas nos mercados financeiros nos últimos dias, a crise sistêmica está saindo de controle.

Continue lendo “Fechar fronteiras? Fechar o marcado financeiro!”

Putin e a busca por um novo Bretton Woods

A atual mudança geral da estrutura do governo da Rússia não tem relação, como a mídia internacional quer fazer crer, com a tentativa de implantar uma ditadura no país com Putin como novo Czar. Essa é a leitura da City de Londres, da The Economist e de todos os órgãos informativos que somente repercutem as ordens de seu senhores. Posicionando-se assim, ignoram os conflitos políticos internos do país, assim como o novo desenho econômico internacional hoje capitaneado por Rússia e China após a dissolução dos BRICS. É preciso olhar para Rússia sem o temor macartista, ou seja, através das lentes do imperialismo internacional. Um “novo pacto” é necessário, não apenas no Brasil como no mundo, para que se alcance novamente o crescimento econômico e o bem estar das populações, sem a praga do monetarismo e os fantasmas produzidos pela imprensa oligopolizada do eixo transatlântico.

Continue lendo “Putin e a busca por um novo Bretton Woods”