A indústria dos fundos financeiros, de Roberto Moraes Pessanha

Roberto Moraes Pessanha expõe em seu livro as transformações do capitalismo posteriores a crise de 2007-8. Como o capital se tornou cada vez mais volátil e apesar de tudo ainda se ancora em determinadas estruturas físicas? Através da noção de frações de capital o autor tenta estabelecer as relações entre “fixos e fluxos” numa cartografia que tende a ser especular tamanho o fracionamento da produção física e a estruturação do capital derivado. Com as emissões quantitativas posteriores a crise, todo um novo sistema da dívida foi formado, encontrando no Brasil terno fértil para se multiplicar. Nosso país, ao invés de ser uma “terra de ninguém”, possui uma regulamentação sofisticada para atrair especuladores através de um sistema de dependência externa montado desde a ditadura.

 

YOUTUBE: https://youtu.be/qo9oDuR3Q3Y

PODCAST: https://anchor.fm/rogeriomattos/episodes/A-indstria-dos-fundos-financeiros–de-Roberto-Moraes-Pessanha-e1kkhgv

O mundo encantado de Roberto Schwarz

De qual liberalismo fala Roberto Schwarz quando alude a um capitalismo brasileiro onde as ideias estariam fora do lugar? Ao percorrer a bibliografia crítica sobre esta famosa noção do crítico literário, podemos ver uma miríade de liberalismos no Brasil, a sua depuração entre um primeiro momento onde o escravismo se aliava ao livre-comércio até as ideias chamadas de liberais encampadas pelos abolicionistas, ou mesmo a refutação do dualismo entre metrópole colônia, países desenvolvidos e subdesenvolvidos: a formação de uma cultura nacional passa pelas lutas de seu povo, pelo atravessamento de referências culturais diversas que podem ou não passar por matrizes europeias ou norte-americanas. Qual mundo encantado que, sob a palavra “liberal”, Roberto Schwarz acredita que o Brasil enquanto nação jamais poderá alcançar?
 
 

A nova esquerda política e a luta de classes no Brasil

Barack Obama foi o último grande triunfo do Império. Realizou guerras intermináveis mais do que qualquer outro de seus antecessores, programava todas as terças assassinatos de “dissidentes”, imprimiu uma quantidade quase infinita de dólar para capitalizar fundos especulativos que criaram o novo precariato através da fintechs, organizou um sem número de golpes de Estado mundo afora. Apesar disso, ganhou um Oscar e um premio Nobel da Paz e é a bandeira de determinado tipo de “progressismo” de esquerda baseada numa noção de inclusão com uma visão muito restrita dos problemas sociais e da incrível crise econômica que só se agravou após 2008. Como a nova esquerda política, no Brasil, tem lidado com esses desafios depois da repaginação do imperialismo? Como se organizar atualmente a luta de classes? Qual sentido de democracia hoje nos orienta? É essa uma das questões que tento trabalhar nesse novo programa.

YOUTUBE: https://youtu.be/StYyHF-gkic

PODCAST: https://anchor.fm/rogeriomattos/episodes/A-nova-esquerda-poltica-e-a-luta-de-classes-no-Brasil-e1k55kd

Sobre a falácia da “armadilha da dívida” chinesa

Em 2018, um think thank norte-americano associado a Universidade de Harvard lançou o termo “chinese debtbook diplomacy”. Com a difusão da suposta “armadilha da dívida” pelos meios de comunicação, acreditou-se que era uma noção vinda da Índia como forma de se contrapor à influência chinesa por toda a Ásia. A falácia da crítica aos mecanismos de créditos da China para suas obras fora do país resulta numa dupla incompreensão: a de que a “dívida chinesa” é predominante no componente total da dívida dos países envolvidos e de que os empréstimos envolvem condicionalidades que, tais como armadilhas, acabam escravizando o país que recorre a eles. Ver os casos do Paquistão e do Sri Lanka (seus problemas de dívida, de infraestrutura e, em especial, no setor elétrico) fornece subsídios para se pensar a composição da dívida pública brasileira frente aos desafios atuais para nosso desenvolvimento.

YOUTUBE: https://youtu.be/C0DUqocFVR8

PODCAST: https://anchor.fm/rogeriomattos/episodes/Sobre-a-falcia-da-armadilha-da-dvida-chinesa-e1k3hdq

O programa “JK-65, compromisso com a democracia brasileira”

O programa de JK para disputar as eleições de 1965, encontrado por pesquisadores durante a Comissão Nacional da Verdade (que em sua seção paulista considerou o ex-presidente como assassinado politicamente), permite rever os impasses que a revolução brasileira (1930) enfrentava na ocasião e, ao se comparar com o período posterior, pode ser visto como a ditadura militar subverter e adulterou os rumos dessa revolução, americanizando e dolarizando nossa economia, processo que deu início ao atual sistema da dívida e financeirização atrelados ao paulatino impulso de reprimarização industrial. Assim, o golpe de 64 reedita a República Velha e adia a execução para um Estado novo no Brasil.

YOUTUBE: https://youtu.be/jPaDzvPzwbU

PODCAST: https://anchor.fm/rogeriomattos/episodes/O-programa-JK-65–compromisso-com-a-democracia-brasileira-e1jfq2f

Protonacionalismo militar e estado de exceção permanente (1964-2003 / 2016 – )

A emergência de determinados grupos que se dizem nacionalistas (viúvas do Lula 1, ex-bolsonaristas, ciristas, algumas pessoas ligadas a Aldo Rebelo, etc.) traz um problema duplo: 1) Qual a relação que a sociedade civil deve estabelecer com as Forças Armadas? O passado recente de arbítrios e o golpe de Estado de 2016 tornaram essa relação problemática; 2) As Forças Armadas são parte fundamental para a soberania nacional, porém a relação ambígua da esquerda com esse setor social acaba por afastar os militares das discussões nacionais. O ponto que procuro destacar é menos o do arbítrio das perseguições políticas durante a ditadura do que seu projeto econômico entreguista. Sem os militares tomarem consciência que servem como apoio a um estado de exceção permanente, por décadas funcionando quase como uma extensão da política norte-americana para o país, não se pode retomar a boa tradição das Forças Armadas, a que levou a Revolução de 30 e a modernização do país já com o “Vargas burguês”, Juscelino Kubitschek.

YOUTUBE: https://youtu.be/f_pLpol5L-8

PODCAST: https://anchor.fm/rogeriomattos/episodes/Protonacionalismo-militar-e-estado-de-exceo-permanente-1964-2003–2016—e1jb1if

BNDES: um estudo de direito econômico, de Lea Vidigal (resenha)

Em seu livro (fruto de sua dissertação de mestrado), Lea Vidigal retoma a importância de um banco nacional para centralizar, regular e coordenar os investimentos do Estado. Em seu período de atuação mais abrangente, com o Plano de Metas, o BNDES foi responsável por incrementos ainda hoje não superados na indústria de transformação, no setor de petróleo e em infraestrutura. Ao contrário de seu uso durante o regime militar, quando se associou ao capital estrangeiro para fomentar a iniciativa privada, com JK as agências internacionais de crédito foram rechaçadas e o impulso para o desenvolvimento se deu através de capital nacional com o objetivo de aumentar as forças produtivas do trabalho. Resgatar a história do Banco é retomar a discussão do planejamento econômico de longo prazo e seu uso voltado à economia física, não especulativa.
 
 

Sobre o hipotético “nacionalismo” da ditadura militar e seus defensores

O tema do título é quase um vazio historiográfico. Discussão pra ser feita: o que invalida a tese de um suposto nacionalismo dos militares? Geisel, aqui, apareceria como figura de destaque como uma espécie de continuador de Vargas… Não se considera:

1) Os investimentos estatais eram feitos com “poupança externa”, ou seja, dólar. Não existe governo nacional financiado em moeda estrangeira. Foi a moeda ianque que “securitizou” ou deu o aval para o funcionamento da ditadura. Simplesmente o dinheiro adiantado para a ditadura era de origem americana. O livro da prof. Maria da Conceição Tavares mostra a dependência dos ditadores em relação ao capital estrangeiro e como sua atuação formou um setor financeiro poderoso no país que passou a reger a orientação da “burguesia nacional” em coordenação com os projetos de Estado.

2) Existia uma situação de Guerra Fria e a ditadura foi muito contestada. Não foi fácil eles manterem alguma legitimidade. Isso passa pelos assassinatos (desde os jovens guerrilheiros aos políticos influentes como o JK), mas também pela percepção dos agentes estrangeiros que não daria para formar aqui uma “solução chilena”. O processo de modernização/industrialização brasileira foi muito amplo, de Vargas a JK. O Brasil ficou por décadas como o país que mais crescia mundialmente. Desmontar o estado violentamente no estilo Pinochet iria trazer mais crise ao regime. Com a “ameaça comunista” era melhor adotar um modelo misto, um tipo de social-democracia com totalitarismo.

(Geisel entra na política com a saída de Getúlio em 1945 e ajuda a criar o nosso War College, a ESG)

3) Muito dessa efeméride ao redor do “nacionalismo da ditadura” gira ao redor da figura do Geisel e o II PND que foi um plano econômico estatizante. Foi pra contornar a crise da dívida dos 1970. E o Geisel, como outros militares, teriam vindo da época do Estado Novo. Então seriam de alguma maneira nacionalistas, mas a reversão da economia nacional para uma base em dólar e a concentração de investimentos em bens de consumo (reverteu a antiga tendência em bens de capital) foram os pressupostos da longa americanização de nosso país.

YOUTUBE: https://youtu.be/hPduMZhSWM8

PODCAST: https://anchor.fm/rogeriomattos/episodes/Sobre-o-hipottico-nacionalismo-da-ditadura-militar-e-seus-defensores-e1iaqse

Eleições coloridas, Barack Obama e a economia política do Vale do Silício

Se houve um reordenamento do poder em escala internacional depois do fim da URSS, na virada do século XXI, com o crescente protagonismo dos países do sul global até sua reunião ao redor dos BRICS, os EUA tiveram que redesenhar sua propaganda democrática, virar a página do impopular governo de Bush Jr. e se apresentar “mais colorido” para o mundo. Esse novo episódio da “democracia americana” já em 2007-8 surge junto ao poder das Big Techs, com poder ainda embrionário se comparado com o que possui hoje. Não só: a reorganização financeira após a dita “crise do subprime”, além de ter promovido uma transferência massiva de recursos para as camadas mais ricas do setor econômico transatlântico, forneceu a liquidez necessária para o investimento massivo em novas tecnologias do trabalho, já acentuada por um processo de desindustrialização vigente há décadas. São esses alguns dos aspectos da nova “democracia americana” que comento no novo episódio de meu programa.

(27 min)

YOUTUBE: https://youtu.be/6OMMmMxXevU

PODCAST: https://anchor.fm/rogeriomattos/episodes/Eleies-coloridas–Barack-Obama-e-a-economia-poltica-do-Vale-do-Silcio-e1hnevv

Platonismo vulgar nas “ideias fora de lugar” de Roberto Schwarz

Uma crítica que talvez possa ser feita ao eminente crítico Roberto Schwarz é sobre essencializar o que ele entende por direitos humanos. Ao colocar como pré-definidas determinadas formas consideradas de progresso do história europeia, acabaria ele julgando ou pré-julgando o desenvolvimento histórico brasileiro? Por que existiria uma “ideia” e necessariamente no nosso país ela estaria “fora de lugar”? Não seria a própria ideia de direitos humanos, tratada de uma forma que não se questiona ou seus princípios, uma outra forma de etnocentrismo? São essas algumas das indagações que faço ao famoso intelectual paulista.

YOUTUBE: https://youtu.be/2e5GCDGuPyk

PODCAST: https://anchor.fm/rogeriomattos28/episodes/Platonismo-vulgar-nas-ideias-fora-de-lugar-de-Roberto-Schwarz-e1h81h8