Como o governo britânico criou uma rede de fake news para derrubar Bashar Al-Assad

Do serviço de informações da Executive Intelligence Review

Ben Norton, no The Grayzone, publica documentos vazados que mostram como empresas contratadas pelo Reino Unido desenvolveram uma poderosa infraestrutura de propaganda para construir apoio no Ocidente para a oposição síria. De imagens de televisão a revistas, cartões-postais e pôsteres, aviso por mensagens, layout e design a contatos na mídia, eles criaram um fluxo de propaganda destinada a derrubar o governo sírio:

“Praticamente todos os principais veículos de mídia corporativa do Ocidente foram influenciados pela campanha de desinformação financiada pelo governo do Reino Unido, exposta na coleção de documentos que vazaram, do New York Times ao Washington Post, da CNN ao Guardian, da BBC ao BuzzFeed.

”Um relatório do Foreign and Commonwealth Office (FCO) do Reino Unido de 2014 descreveu planos de “criar ligações de rede entre movimentos políticos e meios de comunicação”. Um documento de 2017 explica o apoio financeiro britânico para a “seleção, treinamento, suporte e orientação de comunicações de ativistas sírios que compartilham a visão do Reino Unido para uma futura Síria … e que cumprirão um conjunto de valores que são consistentes com a política do Reino Unido” .

”Um contratado do governo britânico, ARK (Analysis Research Knowledge), com sede em Dubai, alegou ser uma ONG criada “para ajudar os mais vulneráveis”, mas na verdade supervisionou as relações públicas para o braço armado do Exército Sírio Livre, criado centenas de milhares de peças de propaganda impressa (pôsteres, panfletos, livretos) e dezenas de segmentos de mídia produzidos na Síria a cada mês, que foram exibidos em estações como a Al Jazeera. Também administrou a mídia social para os White Helmets e influenciou seguidores e mudou pontos de vista de integrantes do Conselho Municipal de Idlib, cidade ocupada pelo afiliado da Al-Qaeda Jabhat al-Nusra, que executou publicamente mulheres acusadas de adultério. Parece ruim, mas você ficará aliviado em saber que o ARK assinou um acordo com o FCO para seguir o “Guia do Reino Unido para questões de gênero”.

The Global Strategy Network, dirigida pelo ex-diretor de contraterrorismo do MI6 Richard Barrett, trabalhou com a ARK para desenvolver uma rede com 97 operadores de câmera, 49 distribuidores de conteúdo, 23 fotógrafos, 19 treinadores locais, 8 centros de treinamento, 3 meios de comunicação escritórios e 32 oficiais de pesquisa.

Esses documentos confirmam a avaliação do movimento LaRouche feita ao longo dos anos, de que mentiras estavam sendo usadas para criar conflito na Síria para fins geopolíticos, como este Editorial da EIR: “Clearing the Fog of War: Lies, Damn Lies, Damn British Lies“.

Para obter informações de primeira mão ou que simplesmente não saem nas mídias tradicionais de esquerda ou direita, participem do grupo Circuitos Contemporâneos, criado por mim no Facebook (clique aqui).