Novo Fascismo Verde ou um Novo Paradigma para a Humanidade?

Da Executive Intelligence Review

Por Helga Zepp-LaRouche

Estamos a apenas 75 anos do fim da Segunda Guerra Mundial. Naquela época, as pessoas diziam: “Nunca mais!” ao fascismo. Sob a experiência horrível da Segunda Guerra Mundial, da terrível vitimização de tantas pessoas ao redor do mundo por esta guerra, as pessoas foram sinceras. Eles realmente queriam estabelecer princípios e uma ordem econômica e política para que isso nunca mais acontecesse.

O “Great Reset”

Eu odeio dizer a vocês, mas agora estamos diante do perigo da implementação imediata de algo que equivaleria ao fascismo global, ou pelo menos fascismo no mundo ocidental, se você diz que os países que são aliados da China e da Rússia não estão tão expostos a isso. Mas os principais bancos centrais do chamado mundo ocidental estão tramando, e é um acordo que já está fechado. O que eles querem fazer é, no início de 2021, em janeiro, daqui a algumas semanas, eles querem sair com a Grande Reinicialização e o Green New Deal, e a digitalização das moedas pelos bancos centrais.

Este esquema vem sendo promovido há algum tempo, mas principalmente a partir de junho deste ano. Houve uma série de conferências patrocinadas principalmente pelo Príncipe Charles, o FMI, pelo ex-chefe do Banco da Inglaterra Mark Carney, Michael Bloomberg, e pela relativamente nova chefe do FMI, Kristalina Georgieva. O que eles têm dito é que o ‘Great Reset” deve reiniciar a economia após o fim da pandemia do coronavírus e, supostamente, relançar a economia. No entanto, o que eles querem fazer – e já estão em processo de implementação – é que os bancos centrais se certifiquem, inclusive exercendo controle sobre os principais bancos, de que absolutamente nenhum investimento que não seja “sustentável” possa acontecer.

Eles querem eliminar tudo o que tem a ver com combustíveis fósseis, qualquer coisa com a ideia de investimento não “verde”, ou seja, investimentos normais na indústria, na agricultura, em infraestrutura. E eles querem substituí-lo usando algo que chamam de “taxonomia” [uma classificação de tecnologias patrocinada pela UE em termos de “sustentabilidade” ou verde], para a qual cada empresa tem que calcular rastros de CO2, por assim dizer, e então só obteriam investimentos se cumprissem os critérios absolutos e estritos de “tecnologia verde”, de carbono zero, de ir para a energia solar, eólica e indústrias relacionadas.

Agora, isso destruiria completamente qualquer nação industrial, porque se você tentar mudar a densidade do fluxo energético do processo de produção de uma nação industrial, como os Estados Unidos ou os países europeus, ou o Japão, e você o forçar a ir apenas para energias alternativas verdes, a densidade do fluxo energéticos dessas tecnologias é tão baixa que você absolutamente não pode manter as nações industriais modernas.

E uma vez que a maioria dessas forças também se opõe à fissão nuclear – elas querem reduzi-la, por exemplo, até na França, que era uma economia baseada na fissão relativamente forte, mas eles estão saindo disso agora – e, naturalmente, não estão fazendo o que Lyndon LaRouche prescreveu ao longo de toda a sua vida, a saber, ir para um programa intensivo de fusão termonuclear. Porque uma vez que você tem a fusão termonuclear, você tem segurança energética por muitos e muitos anos; e você tem segurança de matéria-prima, porque com a tecnologia da tocha de fusão, você pode pegar qualquer lixo, qualquer resíduo – não apenas o lixo nuclear, mas qualquer resíduo – e separar os isótopos e fazer novas matérias-primas. Então, essas são as áreas de vanguarda sobre as quais não exercem qualquer pressão.

O Green New Deal significa uma destruição completa da indústria real. Porém, naturalmente, eles abririam as comportas dos bancos centrais para emitir muito mais liquidez do que fazem desde 2008. Lembre-se que em 2008 houve uma crise sistêmica, que foi novamente absolutamente prevista e prognosticada por Lyndon LaRouche. Mas, em vez de abordar as causas básicas de por que estávamos em um ponto de crise sistêmica em 2008, os bancos centrais apenas imprimiram dinheiro como loucos – flexibilização quantitativa, taxa de juros zero, taxas de juros negativas – e isso tem acontecido desde então. Mas agora, todo o sistema está tão mais endividado do que em 2008, e sabem perfeitamente que essa dívida nunca será paga.

Então a ideia é: como você se livra dessa dívida? Bem, você digitaliza as moedas e vende isso para a população dizendo: “isso torna sua conta segura, há o perigo de um colapso financeiro, mas se você concordar com a digitalização, podemos distribuir o ‘dinheiro de helicóptero’ diretamente para o seu conta, e isso irá protegê-lo. ”

O que isso faria, além de direcionar uma enorme quantidade de nova liquidez para a economia verde, criando uma nova bolha de tecnologia verde, que destruirá a economia real, mas também criará ganhos incríveis para os especuladores e os mega-ricos – os bilionários e milionários – mas será às custas da classe média normal e das camadas mais pobres da população. Porque isso vai criar inflação: esse é o velho truque, como você se livra da dívida? Dívida pública, dívida corporativa, endividamento geral do sistema? Bem, se você tem um movimento em direção à inflação, essa dívida se torna mais barata e, eventualmente, você pode pagá-la de volta.

Bem, isso é essencialmente o que aconteceu na Alemanha em 1923 com a grande inflação: em um certo ponto você teve hiperinflação, e isso destruiu todo o trabalho de uma vida da população. E eles “zeraram” – naquele ponto foi relativamente fácil, porque isso aconteceu apenas em um país – mas, desta vez, é global.

A Grande Reinicialização, portanto, está forçando todos os bancos a apenas emitir crédito para investimentos verdes. Isso já está acontecendo. O Deutsche Bank e o Commerzbank já escreveram cartas a seus clientes, dizendo que só poderão obter crédito se investirem Verde.

O trabalho da vida do povo alemão foi destruído pela hiperinflação em 1923. A Grande Restauração (verde) sobrecarregará o mundo inteiro com uma montanha de dívidas e nenhuma produção industrial. Na foto, crianças alemãs brincando com pilhas praticamente inúteis de dinheiro inflado em 1923.

A digitalização das moedas

Agora, também significará a digitalização das moedas, e isso terá várias finalidades. Isso aumentará a vigilância total. O que sabemos de Edward Snowden, e pessoas como [ex-especialistas e denunciantes da NSA] William Binney e Kirk Wiebe, sobre o aparelho de vigilância da NSA, que já está coletando dados sobre tudo o que as pessoas fazem eletronicamente, junto com o GCHQ britânico, o equivalente a NSA. Eles já estão vigiando tudo nesses depósitos incrivelmente grandes, coletando dados sobre toda a população mundial. Eles podem retirar o que quiserem a qualquer momento. Eles não estão lutando contra o terrorismo, mas o estão usando como aparelho de vigilância. Se você adicionar a isso moedas digitais, então cada atividade econômica que você está fazendo, tudo que você compra, tudo que você investe, todas as suas atividades econômicas, serão igualmente rastreáveis.

A decisão para isso já foi feita. A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, disse isso; todos os bancos centrais têm todos os planos prontos. Deve entrar em vigor em janeiro.

Agora, na segunda fase, eles querem eliminar o dinheiro, ou seja, notas, moedas e instrumentos semelhantes do chamado dinheiro em espécie. O pretexto para isso, novamente, é que vai eliminar a lavagem de dinheiro e coisas assim, mas já está nos cartões, que se você ainda insiste em usar dinheiro – porque você não gosta que eles saibam tudo o que você está fazendo, que você gosta de comer certos chocolates e não quer que eles saibam disso – bem, então você se torna um suspeito, imediatamente, porque talvez tenha algo a esconder. Então, você já pode ver como isso entrará em uma vigilância completa de cada atividade.

Hans Joachim Schellnhuber

E, naturalmente, tudo isso é uma bolha, porque o investimento verde vai reduzir a produtividade tremendamente. John Schellnhuber, que era o chefe do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático, ainda há muitos anos falou sobre a “Grande Transformação” da economia mundial com a descarbonização – e é isso que eles estão fazendo agora. Na época, ele disse que com a tecnologia verde o potencial populacional para o planeta a ser mantido por uma produção com densidade de fluxo de energia muito menor é de cerca de um bilhão de pessoas. E isso é quase certo! Porque você não pode trazer de volta a densidade do fluxo energético aos níveis anteriores à revolução industrial, sem voltar às densidades populacionais da época!

Portanto, esta é uma política de despovoamento e, naturalmente, se você for Verde, você não pode absolutamente resolver os problemas urgentes dos países em desenvolvimento, que agora não apenas enfrentam COVID-19, mas também enfrentam uma fome de “dimensões bíblicas”, como o Diretor Executivo do Programa Mundial de Alimentos, David Beasley, enfatizou muitas vezes nas últimas semanas e meses. Não se pode fazer a industrialização da África, da América Latina, da Ásia: significaria impor tecnologias alternativas aos países em desenvolvimento. Nesta crise, isso significará mortes em massa! E isso é exatamente o que eles gostariam de ver, porque são malthusianos.

É por isso que dizemos que esta é uma política fascista. É uma política que visa o despovoamento do mundo e é muito, muito perigosa. Porque se você olhar para o caos atual nos Estados Unidos, mas também na Europa, você tem revoltas semelhantes nas ruas, que têm características ligeiramente diferentes – mas se você aumentar o desemprego, – as pessoas já não confiam em seus governos. É por isso que Trump obtém tantos votos – as pessoas votam em Trump porque perderam toda a confiança em Wall Street, e o mesmo vale para o Brexit em Londres, na cidade de Londres; mas também no continente europeu e em muitos outros países do mundo.

A ministra da Defesa alemã, Annegret Kramp-Karrenbauer, quer enviar uma fragata solitária da Marinha alemã ao Mar da China Meridional para enfrentar a “agressão” da China.

A crise é enorme

Portanto, temos uma grande crise! O perigo é que, se você seguir em frente com esses esquemas monetaristas neomalthusianos, defraudando a massa da população, as pessoas vão para as ruas. As pessoas perceberão que seu sustento está sendo tirado e você terá um caos em massa. E é absolutamente a preocupação de qualquer um que pense nessas coisas, que desse caos venha a guerra – especialmente se você olhar para a postura belicosa da OTAN e de certos políticos do sistema transatlântico, como a Ministro da Defesa alemã AKK [ Annegret Kramp-Karrenbauer], que deseja enviar uma fragata da Marinha alemã ao Mar da China Meridional para combater a China. Uma fragata, isso realmente bastará! Isso é simplesmente insano. Muitas dessas políticas são completamente malucas e impraticáveis, mas são muito, muito perigosas.

Naturalmente, eles prometem – Mark Carney disse, esse investimento verde, essa é a maior oportunidade de todo o período. Eles chamam o Acordo Verde [Green New Deal] de “ouro novo”, onde os ricos terão um super-lucros. Mas a maioria da população ficará empobrecida e absolutamente não funcionará.

Existe um remédio: o remédio foi definido por Lyndon LaRouche já há muitos anos. O primeiro passo é uma separação Glass-Steagall global dos bancos. Com este esquema dos bancos centrais que acabei de descrever, eles querem eliminar os bancos de poupança e empréstimos, eles não querem ter bancos de poupança e empréstimos e bancos menores dando crédito às PME normais [pequenas e médias empresas] – eles querem eliminá-las! Eles querem reunir todo o poder nas mãos de alguns grandes bancos de investimento e bancos centrais, e todos os outros bancos devem ir à falência.

Agora, a Glass-Steagall fará exatamente o oposto: colocará os bancos comerciais, aqueles bancos que dão crédito aos artesãos, à indústria, à agricultura, os colocará sob a proteção do Estado; vai separá-los dos bancos de investimento; não permitirá mais que os bancos de investimento tenham acesso às poupanças das caixas econômicas. E então os bancos de investimento não terão mais acesso aos pacotes de resgate dos contribuintes: se eles não puderem colocar sua contabilidade em ordem, eles terão que fechar as portas e declarar falência. Se eles desaparecerem, nenhuma grande perda. Não precisamos desse tipo de especulação.

Toda a discussão no sentido de que você precisa de derivativos financeiros não é verdadeira! Basta ter crédito para financiar a produção: é isso que faz funcionar a economia. E se você olhar, por exemplo, volte aos escritos de pessoas como Friedrich List, ou Henry C. Carey, ou Wilhelm von Kardorff, que era o chefe da associação industrial na época de Bismarck, e que escreveu um belo livrinho chamado Against the Current!

Existem muitos livros que descrevem a diferença absoluta entre o sistema americano e o sistema britânico, a saber, que eles diferem no que é considerado a fonte de riqueza.

Os princípios dos construtores de nações como Friedrich List (à esquerda) e Wilhelm von Kardorff (à direita) estão sendo jogados fora, no frenesi fascista verde.

No sistema americano, e por falar nisso, no sistema de Friedrich List, a riqueza só é criada pela criatividade do indivíduo, porque é apenas a capacidade do indivíduo criativo de apresentar continuamente descobertas científicas e tecnológicas e, em seguida, transformar essas descobertas em tecnologias; aplicamos essas tecnologias no processo de produção, o que leva a um aumento da produtividade da força de trabalho, das capacidades produtivas; aumenta o padrão de vida, aumenta a longevidade. E é por isso que um bom estado faz todo o possível para proteger o desenvolvimento dos poderes criativos de seu povo, porque seus líderes sabem que essa é a fonte da riqueza. Agora, esse é o sistema americano.

O sistema britânico diz, bem, não podemos nos importar menos com o indivíduo, porque temos que controlar o comércio. Temos que ter certeza de que compramos matérias-primas baratas; se possível, explorar os países em desenvolvimento para obter suas matérias-primas; não os deixe se desenvolver, porque isso seria contraproducente. Que sejam locais de produção de mão-de-obra barata. E então controlamos o comércio e vendemos produtos a preços elevados. E enquanto controlarmos essas condições de comércio e, naturalmente, as condições dos bancos, da especulação, dos jogos monetaristas – dessa forma a classe rica fica mais rica e não podemos nos importar menos se os pobres ficarem mais pobres. Vamos manter a população a mais atrasada possível, porque então nossas margens de lucro serão maiores.

Então, é isso que realmente está em jogo. E, portanto, Glass-Steagall é absolutamente o primeiro passo, porque você tem que proteger os bancos comerciais, para que eles possam exercer o seu trabalho, o de serem serem banqueiros industriais! Não queremos banqueiros de investimento; queremos banqueiros industriais! Supõe-se que um banqueiro seja o servo da indústria; ele não deveria ser o rei! Não somos contra os bancos: os bancos têm uma função útil. Eles devem fornecer crédito para produção, crédito para cooperação internacional de longo prazo entre países, para investimento em infraestrutura de longo prazo que atravessa as fronteiras. Então, você precisa de bancos. Mas um banqueiro é um servo da indústria, e é isso que temos que restabelecer.

Banco Nacional

Agora, Glass-Steagall é apenas o primeiro passo.

O próximo passo é ter um banco nacional, porque o poder de emitir crédito deve estar sob o controle soberano do governo. Os bancos centrais não são bancos nacionais, eles são privados – o Federal Reserve, por exemplo, é um banco privado – nenhum governo controla o Banco Central Europeu ou o Banco da Inglaterra, nesse caso. Esses bancos não deveriam estar em posição de emitir crédito – mas precisamos de bancos nacionais.

Na Alemanha, por exemplo, tínhamos um banco nacional no período pós-guerra, na forma de Kreditanstalt für Wiederaufbau – o Instituto de Crédito para Reconstrução – que foi modelado na Corporação Financeira de Reconstrução de FDR. E o Kreditanstalt poderia ser usado. Ainda existe; agora é “verde”, mas pode ser reformado e voltar à função que tinha quando financiou o grande milagre econômico alemão. Da mesma forma, deveríamos ter um Federal Reserve nacionalizado e um banco nacional em todos os países, porque é assim que você faz a economia voltar a funcionar.

Então, entre esses bancos nacionais, é necessário um acordo de cooperação internacional para projetos como investimento conjunto em fusão termonuclear; em biotecnologias; em encontrar curas para doenças novas e velhas, reemergentes, como vimos agora na luta para obter uma vacina COVID-19; na cooperação espacial internacional. E uma vez que esses bancos nacionais tenham tais acordos, você já tem um sistema de crédito, um sistema de crédito internacional, um novo sistema de Bretton Woods, no qual o objetivo é dar crédito para investir nesses tipos de coisas que aumentam o padrão de vida de toda população mundial. Isso é o que Franklin D. Roosevelt disse ser a pré-condição para uma ordem mundial estável.

Então, é isso que está disponível em termos de políticas: Um programa intensivo de fusão, de cooperação espacial, de biotecnologias, medicina espacial, e essas são áreas especiais que clamam por serem focalizadas à luz da experiência que vivemos ao longo deste ano. E isso deve ser colocado na ordem do dia imediatamente!

Eu acho que isso pode ser feito. Isso nunca será feito com Biden. Mas, enquanto o presidente Trump ainda estiver no cargo, ele pode se mover para fazer isso. E ele poderia até ter uma cúpula com os outros países dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

O presidente Putin reiterou muitas vezes que deseja realizar essa cúpula, e acho que provavelmente seria a melhor coisa que ele poderia fazer. E se os principais governos do mundo, como os Estados Unidos, Rússia, China e todos os outros países que gostariam de cooperar nisso, se dissessem agora: “Estamos em um perigo incrível, estamos diante de um potencial colapso financeiro: precisamos de um novo sistema de Bretton Woods e vamos aplicá-lo para enfrentar os desafios mais importantes do mundo, como a fome mundial, um sistema de saúde mundial em todos os países ”—Acho que o mundo inteiro mudaria, e poderia ainda ser feito no meio desta luta eleitoral.

Então, eu acho que a solução está aí, mas precisa de pessoas que apoiem ​​o presidente Trump, para apoiá-lo para fazer isso. Mas só posso dizer que é um momento de definição para toda a espécie humana, e se você fizer algo neste momento que seja do interesse de toda a humanidade, você pode vencer.