Porque o Green New Deal deve ser detido

Green New Deal e Great Reset fazem parte da mesma política. Fundos de investimentos gigantescos como a BlackRock se apropriaram de todo e qualquer recursos para a “nova matriz desenvolvimentista” verde. São responsáveis pela gestão dos recursos, ou do dinheiro impresso pelos bancos centrais. Difícil falar do “fim do neoliberalismo” assim, ou seja, com uma aliança entre banqueiros centrais e as velhas aristocracias europeias. E, com essa direção no comando dos investimentos, o foco principal é a Ásia, ou seja, se mantém a velha geopolítica. 0.8% dos 30 trilhões previstos para o “acordo climático” irão para a Ásia… Não existe fantasia alguma quando o império joga. O resto é jogo de cena e a velha demagogia.

Na foto, Zombiden repete via teleprompter as palavras de seus amos.

Por Paul Gallagher, na Execuive Intelligence Review

Na primeira crise da pandemia – com a Organização Internacional do Trabalho da ONU relatando que muitas centenas de milhões de “trabalhadores informais” em todo o mundo perderam seus empregos e enfrentaram circunstâncias muito precárias – já buscamos contrapor uma alternativa ao persistente “Acordo Climático” (Green New Deal), as promessas de “taxas zero de carbono em 2050” ou “emissões líquidas zero até 2050”, etc., que eram piores do que inúteis em tal crise humanitária. Propusemos o emprego de projeto produtivo real de centenas de milhões de pessoas em, primeiro, a criação de infraestrutura de assistência médica em um programa intensivo de dois anos, e grandes projetos de infraestrutura produtiva em todo o mundo ao longo da geração até 2045. Os dois gráficos de barra próximos ao final deste artigo são de uma seção de relatório já publicado pela Executive Intelligence Review, mostrando o impacto sobre a força de trabalho dos Estados Unidos e do mundo.

O pior problema econômico apresentado pelo Acordo Climático é de ideologia e geopolítica anti-Eurásia; apenas secundárias são as tecnologias de energia retrógrada, inferiores e economicamente muito perigosas, que ela insiste em subsidiar e instalar.

A ideologia procede da Família Real Britânica. Os príncipes Philip e Charles, com o assessor de Philip, Maurice Strong, organizaram a Cúpula do Rio de 1992, a primeira das “Cúpulas da Terra” que vimos desde então. A primeira organização “Green New Deal” no mundo foi um grupo não eleito por ninguém, lançado em 2008 pelo Príncipe Charles e seu conselheiro de longa data e co-autor de Friends of the Earth, Tony Juniper, a fim de promover uma agenda verde . Essa equipe redigiu a Lei de Mudanças Climáticas do Reino Unido de 2008, que incluiu um imposto sobre o carbono. O governo britânico de Tony Blair já tinha um Secretário de Desenvolvimento Sustentável e um Projeto de Divulgação Financeira.

O príncipe Charles, como patrocinador, e a City of London Corporation, como anfitriã, têm realizado reuniões internacionais “Green Horizon” desde pelo menos 2005, cujo objetivo era persuadir grandes fundos – fundos mútuos e de pensão, por exemplo – a exercer sua influência sobre empresas contra investimentos e participações em combustíveis fósseis. Mark Carney, o líder de todos os comitês de “finanças verdes” e “divulgação de carbono” do banco central da última década, tem sido um conselheiro próximo e colaborador do Príncipe Charles desde que se tornou diretor do Banco da Inglaterra em 2012: Carney é membro do Royal Order of the Garter, uma raridade para um não britânico (ele é canadense).

Isso significa que a ideologia subjacente do Acordo Verde é a da Família Real Britânica durante todo o período desde a Segunda Guerra Mundial, que consiste no encolhimento da população humana. Isso passou por muitas formas ao longo do tempo, todas as quais têm em comum a remoção do uso produtivo humano de grandes quantidades da área da Terra – parques naturais, áreas de conservação, etc. – ou certas substâncias – DDT, clorofluorocarbonos, uma lista constantemente crescente de pesticidas e fertilizantes – ou certas tecnologias na área de produção de energia em particular. De Bertrand Russell a Richard Attenborough, uma geração após a outra de “cientistas e intelectuais” britânicos se tornou famosa e muito celebrada no Reino Unido por atacar a multiplicação da espécie humana e o uso do universo criado como degradante, tóxico, trágico e fatal para o planeta.

E essas não são apenas as origens do Acordo Climático no início deste século. As conferências internacionais realizadas desde o Acordo do Clima de Paris de 2015 para reunir um apoio financeiro poderoso para a estratégia de deixar os produtores de combustíveis fósseis e fertilizantes famintos de investimento foram as conferências do Fórum Econômico Mundial (FEM) e as “Cúpulas do Horizonte Verde”. Mas nos bastidores estão os comitês de banqueiros centrais: a Força-Tarefa em Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD), o Green Finance Institute e a Rede de Bancos Centrais e Supervisores para tornar o Sistema Financeiro Verde. O mais poderoso deles é o TCFD, uma vez que inclui os principais bancos centrais e grandes bancos privados, 34 na última contagem.

O planejamento e a direção dessas conferências e comitês são dominados por um grupo de “líderes intelectuais”: Príncipe Charles; Mark Carney, que ocupou tantos cargos importantes no banco central desde 2008, que foi claramente o banqueiro central mais influente do mundo; Sir Michael Bloomberg, o bilionário de Wall Street que vive em Londres e negocia posições de controle de “mudança climática” na ONU e no mundo bancário com Mark Carney; e Klaus Schwab, outro amigo próximo e colaborador do Príncipe que dirige os eventos do Fórum Econômico Mundial (a “Conferência de Davos”) e publica livros sobre a meta de “carbono zero” e o advento do “ano zero”.

Nos últimos dois anos, eles se juntaram a essas operações de “fiscalização” da Diretora-Gerente do FMI, Kristalina Georgieva, e da Presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde; e no ano passado, pelo maior gestor de fundos de Wall Street, BlackRock Inc., e por ministros do governo Boris Johnson, no Reino Unido.

Para o Fórum Econômico Mundial de janeiro deste ano, o Príncipe Charles lançou um manifesto que chamou de “Terra Carta”, em outras palavras, uma carta dos direitos da Terra contra a raça humana, considerada sua espoliadora. Isso é uma fraude contra o homem comum; não o beneficia mais do que a Carta Magna original, muito mais um documento de, por e para os barões e príncipes, apesar de alegações fraudulentas posteriores. Este Príncipe moderno deixa claro que o homem comum, em todos os seus números, é um problema para o Príncipe e seu amigo, o Planeta: “A humanidade … causou uma imensa destruição ao planeta que nos sustenta.”

Assim, os termos dos redatores de discursos como “renovação”, “sustentabilidade” e “resiliência” são fachada. A ideologia subjacente ao Acordo Climático é a que motivou a Família Real Britânica por muitas décadas: reduzir o “fardo” da população humana sobre a Terra. Reduza o poder tecnológico da espécie humana, diminuindo a densidade do fluxoenergético das tecnologias usadas para eletricidade, aquecimento, transporte, química. Reduza a própria raça humana.

Também é importante observar neste documento que o Príncipe Charles conta positivamente com a fraqueza dos governos em meio à crise atual: a capacidade dos bancos privados e fundos de executar a política do Acordo Climático – por meio da atribuição e retenção seletiva de investimentos – é muito mais importante, ele diz, do que o que os governos fazem. O que os governos precisam são de grandes impostos sobre o carbono para aumentar o preço do CO2 para US $ 100/tonelada ou mais.

Na conferência do FEM, em 27 de janeiro, o vice-presidente Philipp Hildebrand, da BlackRock, Inc. falou durante o painel, “Financiando a Opção Zero”. Ele pediu a mobilização de “$ 3 a $ 6-7 trilhões por ano, por muitos e muitos anos vindouros”; e acrescentou, “precisamos desesperadamente da mobilização de capital privado, e da forma como isso pode acontecer – e isso foi mencionado pelo comissário – precisamos de um padrão global, que permita que o capital responda aos incentivos de políticas públicas e comece a mobilizar esses enormes somas de dinheiro para financiar a transição para emissões zero. ”

Guerra na Ásia

Além do mais, as ações para encerrar os investimentos e atividades favoráveis ​​aos combustíveis fósseis e carbono, desde a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática de 2015, em Paris, foram de forma esmagadora realizadas pelos principais bancos centrais da Europa – agora, após um longo atraso, acompanhado pela Reserva Federal americana – e pelos maiores bancos privados e fundos de investimento. Os governos podem fazer várias promessas relacionadas às metas dos Acordos de Paris para obter CO2, mas as grandes finanças estão aplicando a força coercitiva. Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial, colocou o comentário acima citado, do príncipe Charles, em seu livro recém-publicado, COVID-19: The Great Reset.

Schwab diz que os mestres do Green Deal estão copiando o exemplo de governos oprimidos pela pandemia COVID-19 e, portanto, que não interferem no que as finanças privadas e a banca do banco central estão fazendo. Schwab teme que os governos obtenham sucesso em acabar com a pandemia mais cedo do que o esperado e reafirmar seus poderes em relação à atividade econômica, atrasando assim a “Grande Reinicialização”. (veja uma revisão do livro de Schwab por Andrea Andromidas, na EIR de 29 de janeiro de 2021)

O termo “Great Reset” foi criado por cima do antigo termo “Acordo Climático” em razão da pandemia de COVID-19. Mais especificamente, a ideia de propaganda de que, uma vez que tantos governos europeus, norte-americanos e sul-americanos, africanos e alguns eurasianos não conseguiram controlar uma pandemia por várias razões, os governos agora estão prostrados e seus poderes de regular e gastar podem ser assumidos por bancos centrais e megabancos privados, que tiveram “sucesso” na manutenção dos mercados financeiros durante a crise.

Ainda mais característico do Green Deal é sua característica de guerra contra a Ásia e a Eurásia, por Londres e as finanças europeias. O Fórum Econômico Mundial divulgou um comunicado promocional para sua conferência onde afirmava que gigantescos US$ 30 trilhões em fundos de capital em todo o mundo estão comprometidos com “finanças verdes”; ou seja, para evitar investimentos em combustíveis fósseis ou energia nuclear. Esses fundos supostamente só serão investidos para fins ambientais, sociais e de governança.

Mas eles admitiram: apenas 0,8% desse capital de “finanças verdes” estava na Ásia!

O capital em muitas nações asiáticas e euro-asiáticas, e investido no exterior a partir de seus sistemas bancários – mais notavelmente da China, mas não exclusivamente – continua a ser investido em novos projetos de carvão e petróleo e energia de “carvão limpo” ; e, essencialmente, todas as adições à frota de energia nuclear do mundo desde 2016 estão chegando na Ásia. Veremos abaixo que o maior gestor de fundos do mundo, BlackRock, Inc. de Wall Street, atacou a KEPCO da Coreia e, portanto, os projetos de energia a carvão tanto no Sudeste Asiático quanto na África.

Na conferência FEM de Davos em 27 de janeiro, o CEO do Standard Chartered Bank do Reino Unido, William Winters, seguiu Hildebrand da BlackRock e reclamou que nesta “oportunidade de US$ 50 trilhões”, a Ásia e o setor em desenvolvimento não estão participando. Winters afirmou que as instituições da Europa e dos EUA comprometem 80% do capital necessário, e o resto do mundo menos de 10% do que os mestres do “Acordo Climático” acham necessário.

O que significa descarbonizar

A nova administração Biden tem uma política de proibir qualquer nova produção de energia com carvão. O novo secretário de Estado, Antony Blinken, denunciou as usinas a carvão durante seu discurso, enquanto culpava a China por sua construção. “Não vamos permitir o investimento estrangeiro em tecnologias sujas”, disse Blinken ao Senado dos EUA, referindo-se especificamente aos projetos da China de construção de usinas termelétricas a carvão em países da Nova Rota da Seda.

A Central Elétrica de Kusile, movida a carvão, em construção pela Eskom, empresa estatal de energia, no oeste de Mpumalanga, na África do Sul em 2019.

Chocado, o governo sul-africano soube no final de 2020 que seus novos projetos de energia a carvão foram cancelados e está sob pressão para fechar, nesta década, muitas das usinas a carvão que fornecem a maior parte da energia elétrica para todo o país. A maior empresa de gestão de fundos do mundo, a BlackRock, Inc. de Wall Street, pressionou a KEPCO, empresa líder em engenharia de energia da Coréia do Sul, que estava construindo os complexos de energia da África do Sul, a abandoná-los.

Após este choque, o novo CEO da empresa de energia nacional sul-africana ESKOM (Comissão de Fornecimento de Eletricidade), sob a mesma pressão, anunciou que a África do Sul fecharia de um terço a metade de suas usinas movidas a carvão até 2030, com capacidade de produção de 15 a 20 gigawatts. Isso é 30% ou mais da capacidade total de energia elétrica em um país que sofre apagões locais e regionais crônicos! Durante 2020, o Ministério de Recursos Minerais e Energia discutiu a solicitação de propostas para até 12,5 gigawatts (GW) de capacidade em pequenos reatores nucleares modulares; mas essa ideia está longe de ser concretizada ou financiada. Pateticamente, a ESKOM está limitada a propor a substituição da energia a carvão por energia eólica e solar.

O CEO da BlackRock, Larry Fink, divulgou uma carta aos CEOs corporativos, sincronizada com a cúpula do Fórum Econômico Mundial: “Cada vez mais pessoas entendem que risco climático é risco de investimento”, escreveu ele. “Quando as finanças realmente entendem um problema, pegamos esse problema futuro e o apresentamos. Isso é o que vimos em 2020″. Em outras palavras, o que o público é informado sobre os riscos dos efeitos futuros das mudanças climáticas, é na verdade transformado por fundos enormes como a BlackRock no risco imediato de negação de investimento.

Outros projetos na Indonésia e nas Filipinas sofreram a mesma ameaça da BlackRock, Inc. para a KEPCO. Um projeto muito grande de energia a carvão nas Filipinas foi cancelado no início deste ano; como na África do Sul, um ministro do governo anunciou planos para encerrar parte da capacidade elétrica movida a carvão existente. No Quênia, desapareceu o financiamento para o desenvolvimento de uma reserva de petróleo que é a chave para um “corredor norte” – um novo porto e ferrovia cruzando o norte do país e conectando-o a seus vizinhos. O presidente de Gana está sob intensa pressão para abandonar os planos de um complexo nuclear que deveria ser o centro de desenvolvimento do país.

Voltando ao exemplo da África do Sul, esta é uma nação com o dobro do tamanho do estado americano do Texas e com densidade populacional comparável, mas apenas metade da capacidade de geração de energia elétrica. Assim como projetos superfaturados de parques eólicos gigantes nas partes mais ventosas do oeste do Texas foram abandonados mais de uma vez, com novas linhas de transmissão de 1.200 milhas para levar energia à costa do Golfo, qualquer ideia semelhante para a África do Sul é uma loucura cara e deixaria uma rede elétrica completamente não confiável, mesmo que pudesse ser feito.

Pior, o uso de eletricidade per capita na África do Sul tem caído desde 2008 e agora é (2019) 3.800 KWh/ano, menos da metade do nível europeu e 1.000 KWh/ano menos do que em 1997, de acordo com a Agência Internacional de Energia (IEA) . Os sistemas hospitalares do país estão, em algumas regiões, já sobrecarregados pela pandemia COVID-19 e sujeitos à falta de confiabilidade da rede elétrica. Se essa queda for prolongada e agravada pela tentativa de cortar a fonte predominante de energia, a redução da população será um fato.

Dr. Kelvin Kemm, CEO da Stratek CC e ex-presidente do Conselho da South African Nuclear Energy Corporation, deixou claro em sua apresentação em 6 de setembro de 2020, em um webinar do Schiller Institute, que as usinas nucleares devem ser construídas ao longo das costas do Oceano Índico e Atlântico da África do Sul, e usinas menores de quarta geração no grande interior e mais industrial no norte, de forma que a energia industrial e residencial seja produzida razoavelmente perto de onde é necessária. Enquanto isso, a energia do carvão deve ser mantida em operação e expandida, disse ele.

Em Londres, o governo e o Grantham Institute anunciaram na semana passada, arrogantemente, ofertas de US$ 1 bilhão para toda a África e Índia como compensação pelo fechamento da energia do carvão e do petróleo! O chefe do Instituto, Jeremy Grantham, é um seguidor declarado e extremo das teorias desacreditadas de Thomas Malthus; mas seu seminário na London School of Economics para promover o que chama de “Transição Justa” para a África e a Índia atraiu muitos outros quangos e grupos de reflexão britânicos.

Nos Estados Unidos, metade de todas as usinas a carvão foram fechadas nos últimos cinco anos pela campanha “Beyond Coal” da BlackRock e Sir Michael Bloomberg, apesar do presidente Donald Trump.

Na Alemanha ou nos Estados Unidos, a imposição contínua de um “New Deal Verde” significa enormes aumentos de preços para energia elétrica, caos industrial, apagões… Mas na África, Índia ou qualquer nação em desenvolvimento, significa redução da população em milhões de mortes desnecessárias.

É muito impressionante, então, que a China planeje que metade de sua energia elétrica ainda venha do carvão em 2050 – com grande parte da outra metade nuclear – e que as instituições financeiras chinesas estejam financiando três quartos dos projetos de energia a carvão ainda em curso nos países em desenvolvimento.

Conforme observado, metade das usinas a carvão nos Estados Unidos já foram fechadas nos últimos cinco anos. Enquanto as maiores e mais modernas permanecem em operação, a capacidade nominal de geração elétrica a carvão caiu pela metade, de cerca de 2 milhões de megawatts para cerca de 1 milhão. A geração de energia elétrica a carvão caiu 25% nos Estados Unidos somente em 2020. Isso não foi em função da menor atividade econômica durante a pandemia. A geração de energia eólica e solar aumentou 12% no mesmo período; a geração de turbina a gás natural em 9%; enquanto a geração de energia nuclear caiu 2,5%. O US Energy Information Administration (EIA) diz que o uso total de eletricidade nos Estados Unidos em 2020 era aproximadamente 7% menor do que dois anos antes, e permanecerá nesse nível deprimido em 2021. Já que o carvão estava ligeiramente acima de 20% da geração de energia elétrica em 2020, a queda na energia a carvão foi responsável quase integralmente pela queda na energia geral. Os dois continuarão juntos.

Nem a capacidade de energia solar e eólica, nem a capacidade de geração de turbina a gás necessária para sustentá-la, estão sendo ou podem ser colocadas em operação nos Estados Unidos tão rapidamente quanto a capacidade de energia a carvão está sendo retirada. A capacidade de energia nuclear está diminuindo lentamente ao mesmo tempo. De acordo com o EIA, o consumo total de eletricidade nos Estados Unidos caiu em sete dos treze anos, de 2007 a 2019, incluindo 3% em 2019 e, em seguida, a queda de 7% acima citada, em 2020. A geração e o uso de eletricidade per capita caíram desde 2009 de 14 MWh para 11,5 MWh, uma queda enorme de 17%, que estava se acelerando em 2019 e 2020. O uso de eletricidade industrial per capita caiu 25% durante essa década ou mais, de pouco menos de 4 MWh para pouco menos de 3 Mwh por ano.

Assim, apesar de algumas flutuações ascendentes relativamente pequenas no emprego industrial dos EUA em 2014-15 e 2018-19, uma recuperação industrial americana não ocorreu e é impossível sob condições de queda total e queda acentuada da geração de eletricidade industrial per capita, e mesmo em termos absolutos.

A indústria estará condenada na tentativa de realizar o Acordo Climático e a tentativa irá arruinar as redes de eletricidade em todo o país. A ala Bernie Sanders do Partido Democrata dos EUA descaradamente o chamou de “New Deal Verde” para tentar evocar o presidente Franklin Roosevelt, cujos projetos hidrelétricos “Four Corners” do New Deal deram à indústria dos Estados Unidos a energia elétrica para armar o mundo contra o fascismo. O “Green New Deal” faz o oposto.

Um parque eólico classificado em 1.000 MW tem um “desempenho médio” de metade ou menos de uma usina a carvão classificada como 1.000 MW. Uma fazenda solar gera um quarto ou menos. Exibido: o Parque Eólico Altamont Pass, no norte da Califórnia, e a Usina Solar GEOSOL Leipziger Land, em Espenhain, Alemanha (abaixo).

Perda de Produtividade

Uma forma de expressar a produtividade em processos industriais seria a capacidade de usar menos energia, menos trabalho, para produzir o mesmo produto e, portanto, produzir mais e melhor este produto com o mesmo aporte de energia e tempo de trabalho. O progresso tecnológico costuma ser a fonte desse aumento de produtividade.

O “Green New Deal” de Sanders/Markey/Ocasio-Cortez, conforme detalhado por suas equipes e outros, propôs substituir 100 milhões de veículos motorizados a gasolina por veículos elétricos e metade do carvão e óleo usados ​​no aquecimento residencial e comercial com eletricidade. Isso exigiria cerca de 360 ​​GW de nova capacidade de energia elétrica na frota de usinas dos EUA. Mas como, ao mesmo tempo, o New Deal Verde elimina a produção de energia a carvão no fornecimento de energia elétrica para a indústria e a substitui por “renováveis”, cerca de 485 GW de nova capacidade de energia elétrica seriam necessários.

Mas toda a capacidade de energia elétrica não é a mesma de forma alguma. Um parque eólico de, digamos, 1.000 MW de capacidade nominal, na verdade leva de 7 a 10 anos para ser construído e seu “desempenho médio” – isto é, eletricidade real gerada – é metade ou menos da metade de uma usina movida a carvão de 1.000 MW, que leva 2-3 anos para construir. (Um parque solar gera um quarto ou menos.) Portanto, cerca de 900 GW de nova energia elétrica seriam necessários na forma de energia eólica (muito mais do que isso, se solar); e levará de três a quatro vezes mais tempo para adicioná-lo do que se a nova energia estivesse na forma de modernas usinas movidas a carvão – que praticamente não liberam poluentes particulados ou gases tóxicos.

Deixe de lado por um momento a enorme lista de materiais de todas essas cerca de 200.000 grandes turbinas eólicas e a lista de materiais impossíveis e/ou indisponíveis para todos os veículos elétricos.

Uma vez que todas essas formas de usinas de energia são produzidas por processos industriais, a indústria estaria usando muito mais energia e gastando muito mais tempo de trabalho do que a energia e o trabalho que está substituindo.

Isso parece ser central para a definição de redução da produtividade econômica.

Em detalhes: esse Green New Deal propõe substituir 100 milhões de veículos motorizados a gasolina (de cerca de 250 milhões de veículos motorizados pessoais e caminhões nas estradas americanas) por veículos elétricos (EVs). Se eles forem dirigir 80 km/dia, esses 100 milhões de veículos elétricos exigirão 1,3 TWh de energia elétrica por dia, ou 13% do uso atual total de eletricidade nos Estados Unidos. E 60% dos veículos nas estradas na América ainda estariam usando gasolina nos motores de combustão interna.

Mantenha esse número em mente para continuar a considerar a segunda “etapa” do Green New Deal, a “eletrificação de todos os edifícios”. A reivindicação é constantemente repetida, de substituir o uso de combustível fóssil por eletricidade em edifícios residenciais e comerciais, principalmente para aquecimento. Aproximadamente 20% dos atuais 4.000 TWh equivalentes ao uso de energia residencial e comercial dos EUA por ano atualmente não são fornecidos por eletricidade ou gás natural (que é, obviamente, um combustível fóssil, mas recebe um passe oportunista nas próximas décadas por alguns novos negociantes verdes). Substituir esses 20% por 800 TWh/ano de energia elétrica requer aumentar a geração e o uso dos EUA em outros 20%.

Mas, por causa da intermitência, a produção média de uma dada capacidade de energia eólica é a metade da mesma capacidade movida a carvão; para a energia solar, é um quarto da energia a carvão. Portanto, na melhor das hipóteses, substituir aqueles 20% do uso de energia residencial e comercial por eletricidade produzida por energia eólica e solar exigirá na verdade 1.600 TWh/ano ou mais de capacidade de energia adicionada. Isso significa adicionar 440 GW de nova capacidade na produção média de vento, que é consideravelmente melhor do que a solar; e os 100 milhões de veículos elétricos discutidos acima exigirão uma nova capacidade de 280 GW na produção média de vento.

A nova capacidade total necessária para essas metas chamadas “sustentáveis” do Green New Deal, 720 GW, é igual a dois terços de toda a frota de energia elétrica dos Estados Unidos.

Em terceiro lugar, cerca de 9% do uso total de energia dos Estados Unidos consiste no uso industrial de carvão e petróleo para energia. Se metade disso fosse substituído por fontes “renováveis” – que, na taxonomia de “finanças verdes”, não incluem a energia elétrica nuclear – isso exigiria a construção de energia eólica e solar equivalente a outra capacidade de 125 GW – mas na verdade, mais, ou seja, 250 GW na produção média de turbinas eólicas. Assim, o Green New Deal exigiria adicionar, no total, o equivalente a quase 90% da atual frota de energia elétrica dos Estados Unidos, de 1,1TW de capacidade.

Se tudo isso fosse energia de turbina eólica, por meio de um arredondamento muito conservador das especificações dadas no “Guia de fatos rápidos definitivos para energia nuclear” do Departamento de Energia dos EUA, cobriria 6,5% da massa terrestre dos Estados Unidos – 400.000 km² de parques eólicos, algo do tamanho de Nevada, Arizona e metade do Colorado. Se fosse solar, devoraria a área de cinco desses estados. Também necessário: conservadoramente, de 250 a 300 km² de novas linhas de transmissão de alta tensão de longa distância, mesmo assumindo que as linhas de distribuição locais seriam capazes de distribuir toda a energia adicional.

(O que está quase enterrado sob este esquema do New Deal Verde seria o único ato sensato sugerido por ele – eletrificar o transporte ferroviário de passageiros e de carga e aumentá-lo a velocidades mais altas. Isso, por outro lado, exigiria um acréscimo à capacidade total de energia elétrica dos EUA de apenas cerca de 1% ou 10-12 GW de nova energia; ou 25-30 GW de nova energia para incluir a construção adicional de 10-12 novos corredores ferroviários de alta velocidade. Infelizmente, no Green New Deal, a eletrificação dos trilhos existentes não é proposta ; apenas a construção de novos corredores ferroviários de alta velocidade.)

FIGURA 1
Comparações de fontes de energia

Pane na rede elétrica

As comparações de diferentes fontes de energia em termos de eficiências e produção real são mostradas na Figura 1.

Que a eletricidade se tornaria duas vezes, talvez três vezes mais cara do que a média atual de 10-11 centavos de dólar/kWh nos EUA, pode ser presumido pela experiência da Alemanha e da Dinamarca, que estão bem embalados nessa estrada, embora não tão longes. Isso reduzirá o investimento de capital e o uso de energia em indústrias de todos os tipos. Em áreas onde permanecem concentrações de indústria de alta tecnologia, como os estados do norte do meio-oeste, o sul e o sudoeste, a tentativa de usar redes de eletricidade amplamente apoiadas por tecnologias de energia intermitente causará interrupções de energia prejudiciais – e o mesmo é verdade em relação aos centros médicos modernos com complexos de hospitais e clínicas.

Mas muito mais perigoso será o estado da rede elétrica, agora muito maior e supostamente muito mais “inteligente”. Se algo como o esquema descrito acima pudesse ser executado, seria necessária uma capacidade elétrica dos EUA de cerca de 2.000 GW instalados, quase metade dos quais seriam parques eólicos e solares, cuja produção gerada flutua diariamente entre zero e 40-50% de sua capacidade nominal de geração de energia. Uma vez que nenhuma rede elétrica obedecendo às leis da eletrodinâmica, não importa o quão “inteligente” seja, poderia lidar com essa enorme flutuação constante, os 1.000 GW de energia recém-adicionada consistiriam em uma mistura de parques eólicos e solares, e um grande número de novas usinas de gás natural – usinas de turbinas movidas a energia que “fazem backup” dessas “energias renováveis” – melhor chamadas de “interruptíveis”. A outra metade da frota dos Estados Unidos também continuaria a incluir um grande número de usinas de turbinas a gás, com números decrescentes de usinas nucleares e hidrelétricas, e algumas mini-usinas de biomassa.

Uma grande parte das usinas de gás natural e nucleares – embora capazes de operação relativamente estável e confiável para as turbinas a gás e operação extremamente confiável para as usinas nucleares – seria, em vez disso, aumentada e desativada, desligada e reiniciada, de acordo com o demandas dos níveis de saída intermitentes e flutuantes dos “interruptíveis”. O desempenho das usinas nucleares, em particular, seria degradado por isso, e seu tempo de vida operacional se aproximaria dos tempos de vida muito curtos das turbinas eólicas e parques solares.

E quanto mais energia eólica e solar forem adicionadas à rede, mais instável ela se tornará, como amplamente demonstrado pela “transição energética” alemã desde 2011. Mais e mais intervenções por parte dos operadores da rede serão necessárias para manter a energia – na Alemanha , agora vários milhares de tais intervenções anualmente – até que inevitavelmente apagões comecem a ocorrer – como quase ocorreu em uma grande área da Europa em 9 de janeiro deste ano.

Somado à perspectiva de um apagão nacional devido a ameaças existentes, mas remotas – uma enorme ejeção de massa coronal solar (CME) na direção da Terra, um ataque de pulso eletromagnético (EMP) usando armas nucleares – teremos a ameaça cada vez mais grave de um apagão nacional devido à nossa própria política de retornar às tecnologias de energia “retrógradas” com baixas densidades de fluxo energético.

Aço e automóveis

Os outros setores econômicos cruciais nos quais o New Deal Verde causaria danos irreparáveis ​​são a agricultura, a pecuária e a produção de aço.

Um estudo de 2020, intitulado “O Efeito Paris: Como o Acordo Climático está remodelando a economia global“, por um grupo de reflexão da OCDE chamado SYSTEMIQ, Ltd., que foi criado sob o Acordo de Paris para procurar arcos de longo prazo de mudança em vários setores sob um Acordo Verde, fez a previsão chocante de que a produção mundial de aço cairia 23% entre agora e 2100, sob o que chamou de “Efeito Paris”! Aos olhos desses neomalthusianos, o setor siderúrgico global já “sofre de excesso de capacidade”.

A solução malthusiana é revelada no gráfico que acompanha aquele capítulo em que a produção global de aço deve diminuir de 2.342 Mt por ano para 1.786 Mt até o ano 2100. Nesse total, o segmento de “produção primária” encolhe ainda mais, em quase 50%, enquanto o segmento de aço “reciclado” por arco elétrico e processos semelhantes mais do que duplica, compreendendo a metade de toda a produção de aço até 2100. O aço reciclado é inerentemente de qualidade inferior (resistência) do que o produto de produção primária de alto carbono, e alguns tipos especiais de aço não podem ser produzidos de forma confiável por meio da reciclagem.

Os patrocinadores deste SYSTEMIQ incluem Lord Nicholas Stern, outro protegido do Príncipe Charles, e Klaus Schwab do Fórum Econômico Mundial, e o Green Finance Institute. O estudo foi financiado pela The Children’s Investment Fund Foundation.

Portanto, não é apenas difícil ver de onde virão todos os materiais para centenas de milhões de baterias de lítio muito grandes para veículos elétricos; é difícil ver até mesmo de onde virão os produtos de aço laminado de alta qualidade para fazer os próprios veículos. (sem mencionar os aços especiais necessários para todos os milhares de quilômetros de trilhos para transporte ferroviário de alta velocidade exigidos nos planos do Green New Deal.)

Em 17 de dezembro passado, o presidente da Toyota, Akio Toyoda, falando em uma entrevista coletiva de fim de ano na qualidade de presidente da Associação dos Fabricantes de Automóveis do Japão, alertou a classe política sobre suas intenções declaradas de se converter totalmente para carros elétricos. Ele disse que o Japão ficaria sem eletricidade no verão se todos os carros funcionassem com energia elétrica. A infraestrutura necessária para suportar uma frota composta inteiramente de VEs custaria ao Japão entre ¥ 14 e ¥ 37 trilhões, o equivalente a $ 135- $ 358 bilhões. “Quando os políticos estão dizendo:‘ Vamos nos livrar de todos os carros que usam gasolina ’, eles entendem isso?” Toyoda perguntou. “Quanto mais veículos elétricos construímos, pior fica o dióxido de carbono.”

FIGURA 2
Eólica: Capacidade Instalada Alemã vs. Rendimento
Capacidade máxima instalada = 35.000 MW

FIGURA 3
Solar: Capacidade Instalada Alemã vs. Rendimento
Capacidade máxima instalada = 37.400 MW

O Exemplo da Califórnia

A Califórnia está tão à frente do resto dos Estados Unidos na implementação do Acordo Climático, quanto a Alemanha está em fazer uma advertência ficcional para a Europa. Aqui está o caso alemão: a produção de energia eólica instalada na Alemanha em um mês de 2014, por dia, é mostrada na Figura 2.

Embora o mês fosse agosto, a energia solar não teve um desempenho melhor, conforme mostrado na Figura 3.

O governador da Califórnia em 2005, Arnold Schwarzenegger, emitiu uma ordem executiva e, em seguida, promulgou a lei pelo Global Warming Solutions Act, de 2006, que cortaria as emissões de CO2 para apenas 20% do nível de 1990 até 2050 e, entre outras coisas, que iria não apenas eliminar a energia a carvão, mas se recusar a importar energia movida a carvão de qualquer outro estado. Desde então, fez tudo isso, ao mesmo tempo em que eliminou a energia nuclear em um processo a ser concluído em 2024. Mas sua tentativa de substituir o carvão e a energia nuclear por fazendas eólicas, solares e usinas de turbinas a gás natural em constante expansão não teve sucesso.

A geração de energia elétrica na Califórnia caiu 2,7%, em 2019, enquanto as tecnologias de energia “interruptíveis” aumentaram de 55% para 57% da capacidade nominal total. A meta do estado é que esse valor chegue a 100% até 2045. O carvão foi eliminado no estado, e as usinas nucleares, que antes tinham uma capacidade instalada combinada de 12 GW, agora estão com 2,4 GW de uma única usina, Diablo Canyon, e irá para zero em 2024, quando essa planta está programada para ser encerrada como “economicamente inviável”.

O consumo de energia per capita do estado é o terceiro mais baixo do país. Em relação à geração real de eletricidade em oposição à capacidade instalada: A energia a carvão foi totalmente eliminada no estado; a energia nuclear residual é de apenas 2,6% da geração total, em comparação com 19% em todo o país; eólica, solar, biocombustível e hidrelétrica respondem por 36,6% – o dobro da média nacional – e as usinas de turbinas a gás natural por 60%. Esse é exatamente o perfil do New Deal Verde para energia elétrica, conforme detalhado acima.

O resultado também é previsível. A geração de energia elétrica no estado caiu 5% em 2018 ante os já citados 2,7% em 2019, resultado do desligamento (incluindo as ações de 2020) de cerca de 12 GW de capacidade da turbina a gás. O preço da eletricidade residencial está 50% acima da média nacional; o preço da eletricidade comercial 70% mais alto; e o preço da eletricidade industrial 150% mais alto.

A Califórnia sofreu blecautes regionais de energia três vezes em 2019 e 2020 combinados. Isso ocorreu porque o governo estadual tentou fechar parte da capacidade (“poluidora”) da turbina a gás, que havia substituído o carvão e a nuclear e se tornou redundante a energia de reserva para os parques eólicos e solares. Com a alta demanda de energia no verão, o regulador estadual – que já estava muito acima de qualquer outro estado na importação de energia de outros estados – tentou importar ainda mais em horários de alta demanda e foi rejeitado. Ocorreram apagões, principalmente no sul do estado.

Notavelmente, após a “emergência de alto nível” de agosto de 2020 declarada na rede, com os preços da eletricidade no atacado chegando a US$ 1 / kWh, e os apagões regionais que se seguiram, o governador da Califórnia, Gavin Newsome, reconheceu que a política de energia economicamente suicida do estado era a responsável. Newsome disse que o deslocamento de combustível fóssil por energia solar e eólica era “um imperativo moral e ético”, mas havia criado “lacunas na confiabilidade” na rede elétrica. “Coletivamente, os reguladores de energia não conseguiram prever este evento e tomar as medidas necessárias para garantir energia confiável para os californianos”, disse Newsome.

O crescimento da manufatura tornou-se quase impossível em um estado que já liderou o país na manufatura aeroespacial altamente qualificada, por exemplo. A Califórnia tinha 2.050.000 empregos na indústria em 1990, mas caiu para 1.220.000 no início de 2021, uma queda de 40%. Durante o ganho de aproximadamente 600.000 empregos manufatureiros em todo o país durante os primeiros três anos da administração Trump, o emprego manufatureiro da Califórnia estagnou; permanece no nível de 2015.

A Califórnia importa um terço de seu uso total de eletricidade – e não importa, por lei, se energia produzida a partir do carvão. Mesmo que uma minoria significativa de estados chegasse a essa situação, os apagões regionais de energia se tornariam uma certeza, produzindo o caos na indústria, na assistência médica e em muitos outros campos.

Em uma nação em que estados com grande quantidade de energia nuclear e a carvão – como a Pensilvânia, Illinois e Alabama – são os maiores exportadores de energia; e estados como Califórnia e Nova York, sem carvão e apenas com energia nuclear residual, são os maiores importadores; as consequências da imposição de um New Deal Verde são óbvias em relação aos apagões, falta de confiabilidade de energia e redes de elétricas instáveis. Os maiores estados importadores de eletricidade também apresentam uso de energia per capita menor e decrescente; Nova York, por exemplo, a partir de 2018, tornou-se a quarta mais baixa em geração e uso de eletricidade per capita, ficando acima apenas da Califórnia, Rhode Island e Virgínia. Nova York acaba de eliminar 13% de sua capacidade de elétrica com o fechamento dos reatores nucleares de Indian Point restantes e, apesar da abundante energia hidrelétrica, está obtendo a maior parte de sua capacidade energética, cada vez menor, de “interruptíveis” e de gás natural.

Figura 3
Transformando a Força de Trabalho dos EUA
(% do total)

Figura 4
Transformando a Força de Trabalho Mundial
(% do total)

O que está envolvido na criação de grandes projetos de infraestrutura para empregar centenas de milhões de pessoas de forma produtiva. Os grandes blocos vermelhos em 2020 mostram a enorme mudança da pandemia COVID de trabalhadores não produtivamente empregados e “informais” para o desemprego em meados de 2020. O primeiro “grande projeto”, para empregar milhões nos Estados Unidos e centenas de milhões de forma produtiva em todo o mundo, é a criação de sistemas modernos de saúde e de saúde pública em todas as nações – incluindo agora, a vacinação rápida em todo o mundo.

A pandemia e a recuperação

A pandemia COVID-19 não causou apenas 2 milhões de mortes em excesso no mundo – em comparação com uma taxa média de mortalidade anual de cerca de 55 milhões antes da pandemia – mas também, de acordo com um novo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) da ONU , causou a perda do equivalente a 250 milhões de empregos em tempo integral, provavelmente afetando negativamente o emprego de cerca de 500 milhões de pessoas em todo o mundo. Essa era a situação no 4º trimestre de 2020, de acordo com a OIT, e acompanha dois relatórios anteriores dessa organização em maio e outubro. O número esmagador de pessoas afetadas são os chamados “trabalhadores informais” nas nações em desenvolvimento, e há mais de 2 bilhões de “trabalhadores informais” na força de trabalho mundial. Essa grande perda de vidas e trabalho continua, piorando ainda mais. O relatório da OIT, de fato, previu a perda do equivalente a mais 130 milhões de empregos em tempo integral em 2021.

A grande maioria das nações do mundo não possui cuidados médicos ou sistemas de saúde pública robustos, e isso é verdade para muitas das nações “avançadas” da Europa e das Américas.

Para tomar os Estados Unidos como exemplo: existe uma lei de 1946 chamada Hospital Construction and Survey Act (a “Lei Hill-Burton”), não mais aplicada há décadas, que exigia 4,8 leitos hospitalares de vários tipos por mil residentes em cada condado. A média hoje é de 2,3 leitos/mil por município, com o país tendo cerca de 900.000 leitos de hospitais gerais, mas com muitos municípios rurais perto de zero leitos. Ao contrário de décadas de “opinião de especialistas” nos Estados Unidos de que a classificação de leitos hospitalares é “antiquada e ineficiente”, os sistemas hospitalares municipais em todo o país ficaram sobrecarregados com a carga de pacientes em vários pontos da pandemia COVID-19. Na verdade, os Estados Unidos precisam de mais 500.000 leitos hospitalares com urgência, incluindo tipos especiais.

Em contraste com isso, os níveis variam de 8 a 11 leitos por mil pessoas em muitos países asiáticos e em alguns países do Leste Europeu. A incapacidade da maioria das nações da Europa Ocidental e dos Estados Unidos de realizar qualquer esforço sério de teste e rastreamento de COVID-19 é meramente indicativo de que as capacidades de saúde pública também foram atrofiadas.

A situação na maioria das nações em desenvolvimento fora do Leste e Sudeste Asiático exige uma mobilização global. A pandemia COVID-19 não acabou, nem é a última nos próximos anos. Um sistema moderno de saúde pública e hospitalar precisa ser construído rapidamente em todos os países, incluindo os padrões de vida necessários para os profissionais de saúde.

O que isso exige foi detalhado pela EIR em nosso relatório de maio de 2020 citado acima, O mundo precisa de 1,5 bilhão de novos empregos produtivos: dez milhões de leitos em hospitais e clínicas modernas em todo o mundo. Vários milhares de GW de nova energia elétrica em todo o mundo, melhor fornecida por pequenos reatores nucleares modulares. O desenvolvimento de grandes e novos suprimentos de água potável para essas instalações médicas e empreendimentos habitacionais para suas equipes. O emprego de 110 milhões de pessoas em novas construções, engenharia, laboratórios e trabalhos de saúde, e a mobilização de trabalhadores auxiliares nas campanhas de vacinação, que ainda não começaram na maioria dos países em desenvolvimento.

Este grande projeto de infraestrutura necessário só pode ser conduzido pelas principais nações de alta tecnologia, como China, Rússia, Estados Unidos, Índia, Japão. Ele fornece aos governos soberanos dessas nações a “primeira missão” necessária para derrubar os poderes financeiros centrados em Londres impondo o Acordo Climático ou a “Grande Reinicialização”, poderes que estão reunindo os setores financeiros privados da Europa e da América do Norte para uma negação seletiva, mas disseminada de crédito à atividade econômica produtiva real em todo o mundo. Os líderes dessas nações devem se reunir para lançar a provisão de crédito em larga escala para a atividade econômica mais crítica e produtiva.