Sistema energético europeu afetado pela escolha alemã por fontes “renováveis” de energia

Do serviço de informações da Executive Intelligence Review

Não apenas a Alemanha está enfrentando dificuldades para garantir seu status industrial após a saída da energia nuclear prevista para o final de 2022; toda a Europa sofrerá por causa da incerteza de onde a principal potência industrial europeia obterá seu suprimento de eletricidade no futuro. Os problemas na Alemanha causados ​​pela campanha de energias renováveis ​​já começaram a aparecer: no ano passado houve uma redução de 15% nas emissões de CO2, mas não por causa do aumento do fornecimento de eletricidade proveniente de energia solar e eólica.

Como disse Fabian Hein, da Agora Energiewende, instituição líder em estratégia de transformação de energia, a redução das emissões ocorreu por causa do fechamento de grande parte da indústria no ano passado devido à pandemia. Em outras palavras, o fato de 2020 ter sido o primeiro ano em que a produção total de energia solar e eólica superou petróleo, carvão e gás combinados, mostra que a estratégia verde que afirma que a Alemanha faria bem se dependesse inteiramente de fontes renováveis ​​está falhando.

Além disso, isso é documentado pelo fato de que não só as exportações de eletricidade da Alemanha diminuíram 11,6% em 2020, mas também que ela teve que importar 38,8% a mais de vizinhos europeus porque sua própria geração de energia era insuficiente. As importações foram de 24,2 Twh em 2019, e já 33,6 Twh em 2020 – uma tendência que certamente aumentará e aumentará esse crescimento a partir de janeiro de 2022, quando três dos seis reatores nucleares restantes foram desligados pelo plano de saída nuclear.

Além disso, no verão passado, a França foi incapaz de exportar eletricidade suficiente para sua vizinha Alemanha – o maior cliente estrangeiro da energia nuclear francesa – mas foi forçada a importar da Espanha, que por sua vez teve que importar do Marrocos. Isso mostra que há limites definidos para o que a Cadeia de Suprimento de Energia Europeia, que regula as exportações e importações internas da Europa para seus países membros, pode fazer para manter a indústria alemã em funcionamento.