Agora tá explicado, Morô?

Depois de prender o Lula, Moro pode se aposentar. Quem sabe até em Miami, como o ilustre J. Barbosa. O que um salário de R$ 77.000,00 não permite, não é? Morô?

Mas, e daí? Muito bem pergunta Mino Carta:

 

Convoco novamente os botões: por quê? Parece óbvio que uma súbita dúvida assola a casa-grande. O caminho do golpe tenderia a bifurcar-se, e a encruzilhada exige meditação profunda ao tornar possível, quem sabe provável, uma escolha. Temer e o Congresso ou Moro e o Supremo? A leitura dos jornalões induz os botões a acentuarem a gravidade do momento e a dificuldade da opção.

 

O talvez maior editor brasileiro além de saber colocar boas questões, sabe temperar o debate com muito bom senso, apesar do pessimismo – e do sarcasmo – de sempre. O que não deixa de ser bom.

 

Há quem volte a falar em eleições gerais antecipadas, quem sabe para outubro de 2017. Solução sensata demais para ser viável. Ideal mesmo, declaram soturnamente os botões, seria refundar o Brasil, tão favorecido pela natureza e infelicitado fatalmente por uma dita elite, prepotente, arrogante, hipócrita, corrupta, egoísta e incompetente. Ah, sim, ignorante. E movida a ódio de classe.

 

“Solução sensata demais para ser viável”. Um exagero, acho que podemos acrescentar. Mas , a verdadeira piada não está no vídeo do comediante, mas no do profissional. Ali é uma confissão não só  golpe, mas de quem sempre foi menos o “Golbery” do presidente interino do que o presidente de fato.

Resta ainda alguma dúvida que Temer continua sendo o “vice decorativo”?

Agora, contudo, ainda fica uma questão. As gravações feitas por Sérgio Machado foram publicadas no fim do mês de maio, sendo que foram feitas em março – dizem. Se o processo de impeachment só foi votado no senado já quase chegando no meio do mês, por que as gravações só foram divulgadas talvez mais de dois meses depois de terem sido feitas? Dá para se argumentar que as gravações foram feitas como uma espécie de auto-proteção de Sérgio Machado. Tipo “se der merda” tenho isso aqui. Mas por que que não “deu merda” antes, mas só depois de 15 dias de governo interino? As gravações, inclusive por envolverem o presidente do senado, poderiam ter simplesmente bloqueado a votação da admissibilidade do impeachment. Mas a Folha de São Paulo resolveu que só daria merda no fim do mês, e soltou as gravações que supostamente colocariam o jornal novamente no “campo progressista”, pura estratégia de marketing como vários analistas já viram, triste reedição do “progressismo” do jornal durante o inevitável, as Diretas Já.

Talvez não seja querer demais que todos os jornais não acompanhem as falhas ridículas da gigante Globo, como no caso mesmo das Diretas, quando noticiou a festa pelo aniversário da capital paulista ao invés de falar o óbvio, o comício pela democracia. A Globo comete esses erros grosseiros, mas fica tudo meio que por aí, anestesiado pelo seu grande $$$$$. A Folha tem que se basear mais na moral e nos bons costumes, ser também camaliônica como o Caetano Veloso. Na falta de conteúdo e superabundância de capital tem que usar da dubiedade.

Logo, frente ao óbvio dessas gravações, é o que o Abertinho pergunta, clama, esbraveja: Por que não foram divulgadas antes? Imagina essas gravações com a tentativa de Waldir Maranhão… Não dá para se especular muito agora. Somente dá para concluir que é muito conveniente tudo isso vir só agora. Se viesse depois, já que a fonte é uma pessoa que teve a vida devassada pela PF em dezembro, traria ainda mais incredibilidade para o PIG, e poderia atear fogo no país caso fosse divulgada uma conversa de março depois de julgado o mérito do impeachment. Seria grotesco também porque deveriam paralisar a caça a Machado, e a Mani Lipute não para nunca. Mais uma de suas entranhas seria desvelada. A Torre de Londres caso fique um dia ou mesmo algumas horas inativa poderia ruir. Sei que Sérgio Machado poderia ter calado Renan na hora certa, e todo o PIG e os admiradores de J. Barbosa junto.