A crise de identidade das elites brasileiras

A rede Globo foi formada, durante a ditadura, como aparelho bolchevique de propaganda do aparelho de Estado. À exceção de parte do mandato de Collor, ela apoiou incondicionalmente todos os governos da elite brasileira.

Desde Médici, que limpava as roupas sujas de sangue para ver o ‘Brasil dando certo” no JN, até os escândalos mais tenebrosos dos mandatos de FHC, os crimes mais hediondos sempre foram ocultados.

O ataque errático da Globo ao governo Temer e agora ao de Bolsonaro, personagens que a emissora se empenhou em colocar no poder, mostra a profunda crise de identidade das elites nacionais.

Sem uma solução armada, como na ditadura, ou com a fábula do Plano Real (acabar com a inflação e aumentar a carestia), as elites não tem mais a quem recorrer.

A elite, como nunca antes, está gravemente ferida. Cabe a reorganização do campo popular para derrotá-la, ao menos, pelos próximos 10 ou 15 anos.