Ei você que está me olhando

David Lynch: “Life is very, very complicated so films should be allowed too”. Igualmente para O Abertinho

Ei você que está me olhando:
Não sei o que de bom tem encontrado por aqui.
Como uma invasão clandestina
Prescrutam palma a palmo cada palavra
escrita por esse estrangeiro Abertinho

Ei você que está me olhando
Tão longos olhos por vezes me geram surpresa
Me geram desconfiança
Afinal, por que estão me perscrutando?

A qualidade dos trabalhos é evidente,
Muitas vezes embora feitos com um tanto de pressa.
Ei você que está me olhando

Em grupos, em maltas, em quase invasões:
Visitas assim são curiosidade, admiração,
estupefação, desconfiança
ou afinal encontraram um longo e raro livro?

Digno de interesse?
Ei você que está me olhando
Seus longos olhos não sugerem, não me pedem
A criação de qualquer tipo de vinculo, de pacto.
Invasão clandestina ao estrangeiro Abertinho.

São tantos e completamente ignorados…
Vejo apenas seus longos olhos.
Ei você que está me olhando no silêncio e na noite
O brilho difuso desse olhar, o que me diz?