Sobre a falácia da “armadilha da dívida” chinesa

Em 2018, um think thank norte-americano associado a Universidade de Harvard lançou o termo “chinese debtbook diplomacy”. Com a difusão da suposta “armadilha da dívida” pelos meios de comunicação, acreditou-se que era uma noção vinda da Índia como forma de se contrapor à influência chinesa por toda a Ásia. A falácia da crítica aos mecanismos de créditos da China para suas obras fora do país resulta numa dupla incompreensão: a de que a “dívida chinesa” é predominante no componente total da dívida dos países envolvidos e de que os empréstimos envolvem condicionalidades que, tais como armadilhas, acabam escravizando o país que recorre a eles. Ver os casos do Paquistão e do Sri Lanka (seus problemas de dívida, de infraestrutura e, em especial, no setor elétrico) fornece subsídios para se pensar a composição da dívida pública brasileira frente aos desafios atuais para nosso desenvolvimento.

YOUTUBE: https://youtu.be/C0DUqocFVR8

PODCAST: https://anchor.fm/rogeriomattos/episodes/Sobre-a-falcia-da-armadilha-da-dvida-chinesa-e1k3hdq

A captura do debate da Auditoria da Dívida pelos economistas acadêmicos

Formou-se um curioso debate entre professores, pesquisadores e pessoas que ocuparam cargos importantes no governo federal – todos economistas de profissão -, com o objetivo de dar maior precisão ao “gráfico em forma de pizza” da Auditoria Cidadã da Dívida. Correndo por fora do debate, pôde ser visto a dedicação do inteligente blogueiro do Cafezinho em corrigir a hipotética inflação do impacto da dívida pública no orçamento público, após a repetição de Ciro Gomes, em live, dos números do “gráfico em pizza”.

Continue lendo “A captura do debate da Auditoria da Dívida pelos economistas acadêmicos”