Sobre o atual “conservadorismo ilustrado”

Quando a a direita passou a aumentar seu tom de voz há poucos anos, vira e mexe se falava que não existia mais direitistas como antigamente. Fazia-se alusões a Merchior, Paulo Francis, Bob Fields e que tais. Eram declaradamente de direita, porém tinham o mínimo de articulação, sabiam dialogar e não apenas xingar ou difamar, como o que vemos hoje no atacado e no varejo. Contudo, talvez esse conservadorismo já exista. Quem sabe, porventura, um pouco melhorado. São meio livre-mercadistas, meio esquerdistas, e não são vistos ainda como “de direita”. Dar tempo ao tempo…

[…]

Fernando Haddad, o formulador de paradoxos

Parafraseando Haddad: a pauta conservadora pode produzir mágica. Foto: Ricardo Stuckert

Com o violento ostracismo a que relegaram Lula e boa parte das lideranças históricas e populares do Partido dos Trabalhadores, se torna mais evidente um pensamento ilustrado e conservador, de corte esquerdista. Essa postura e esse pensamento se tornaram hegemônicos em parcelas da mídia independente ou de esquerda. Fernando Haddad e Mathias Alencastro são um excelente caso de estudo. Não é preciso só um “retorno às bases”, mas também um retorno às formulações políticas básicas de um governo popular. Sem um crítica a esse tipo eminente de esquerdismo, somente com dificuldades podemos retomar o que de mais legítimo existe em nossa história enquanto povo, enquanto cidadãos de um país com grandes aspirações sociais e humanas.

[…]