O programa “JK-65, compromisso com a democracia brasileira”

O programa de JK para disputar as eleições de 1965, encontrado por pesquisadores durante a Comissão Nacional da Verdade (que em sua seção paulista considerou o ex-presidente como assassinado politicamente), permite rever os impasses que a revolução brasileira (1930) enfrentava na ocasião e, ao se comparar com o período posterior, pode ser visto como a ditadura militar subverter e adulterou os rumos dessa revolução, americanizando e dolarizando nossa economia, processo que deu início ao atual sistema da dívida e financeirização atrelados ao paulatino impulso de reprimarização industrial. Assim, o golpe de 64 reedita a República Velha e adia a execução para um Estado novo no Brasil.

YOUTUBE: https://youtu.be/jPaDzvPzwbU

PODCAST: https://anchor.fm/rogeriomattos/episodes/O-programa-JK-65–compromisso-com-a-democracia-brasileira-e1jfq2f

BNDES: um estudo de direito econômico, de Lea Vidigal (resenha)

Em seu livro (fruto de sua dissertação de mestrado), Lea Vidigal retoma a importância de um banco nacional para centralizar, regular e coordenar os investimentos do Estado. Em seu período de atuação mais abrangente, com o Plano de Metas, o BNDES foi responsável por incrementos ainda hoje não superados na indústria de transformação, no setor de petróleo e em infraestrutura. Ao contrário de seu uso durante o regime militar, quando se associou ao capital estrangeiro para fomentar a iniciativa privada, com JK as agências internacionais de crédito foram rechaçadas e o impulso para o desenvolvimento se deu através de capital nacional com o objetivo de aumentar as forças produtivas do trabalho. Resgatar a história do Banco é retomar a discussão do planejamento econômico de longo prazo e seu uso voltado à economia física, não especulativa.