O corredor econômico China-Paquistão: conectividade e seu futuro

Por Shakeel Ramay, na Executive Intelligence Review

O sr. Shakeel Ramay, do Instituto de Política de Desenvolvimento Sustentável do Paquistão, falou no terceiro painel, “Sudoeste da Ásia: Pivô para a Guerra ou Desenvolvimento Pacífico com a Nova Rota da Seda”, da conferência internacional do Instituto Schiller de 20 a 21 de março, “O Mundo em uma encruzilhada: dois meses para a nova administração. ” A maioria dos slides do Sr. Ramay são omitidos aqui; sua apresentação na íntegra pode ser conferida aqui.

Continue lendo “O corredor econômico China-Paquistão: conectividade e seu futuro”

O Plano Oasis: o desenvolvimento é a chave para a paz no Oriente Médio

O texto seguinte é a transcrição de palestra de Lyndon LaRouche durante uma de suas viagens na década de 1990 na Rússia. Foi onde apresentou pela primeira vez o Plano Oasis para a reconstrução do Sudoeste Asiático. Publicamos esta fonte primária como material de apoio ao artigo de Hussein Haskary, “Justiça para os povos do sudoeste asiático”.

LaRouche dá palestras na Academia Russa de Ciências de Moscou em 28 de abril de 1994.
Continue lendo “O Plano Oasis: o desenvolvimento é a chave para a paz no Oriente Médio”

Justiça para as nações do Sudoeste Asiático

Por Hussain Askary, na Executive Intelligence Review

Hussein Askary é o Coordenador do Sudoeste Asiático do Instituto Schiller. Ele fez a apresentação principal do terceiro painel, “Sudoeste da Ásia: Pivô para a Guerra ou Desenvolvimento Pacífico com a Nova Rota da Seda”, da conferência internacional do Instituto Schiller, de 20 a 21 de março de 2021, “O Mundo em uma Encruzilhada: Dois Meses para a Nova Administração. ”

Hussein Askary
Continue lendo “Justiça para as nações do Sudoeste Asiático”

Dar espaço à Nova Rota da Seda nas Américas

Por Dennis Small, na Executive Intelligence Review

A Ibero-América hoje está sendo assolada por uma pandemia que também assola o mundo. Ela está enfrentando aproximadamente 45% de desemprego real, se você medir o desemprego nos termos de Lyndon LaRouche, de parâmetros econômicos físicos reais. Ela está sendo destruído por um comércio de drogas administrado pelos mesmos interesses financeiros de Wall Street e da City de Londres, que também estão por trás do colapso da bolha especulativa global de cerca de US$ 1,7 quatrilhões. Na verdade, temos uma situação em que milhões de pessoas em toda a região, mas especialmente na América Central e no México, foram impulsionadas pelo tráfico de drogas, pela pobreza e pela miséria em geral, à migração forçada para tentar encontrar a sobrevivência, sustento, ou simplesmente fugindo para salvar suas vidas.

Portanto, se realmente quisermos resolver esses problemas – o que deveríamos estar fazendo nos Estados Unidos – existe apenas uma abordagem que será possível e realmente funcionará. Quando olhamos para isso, existe uma solução direta em mãos, que é a extensão da Nova Rota da Seda nas Américas.

Continue lendo “Dar espaço à Nova Rota da Seda nas Américas”

A posição de Trump diante do complexo industrial-militar

O atual debate de teor acadêmico transplantado para as redes sociais, um suposto embate entre stalinismo e liberalismo, só pode ser considerado um debate político de segundo ou terceiro grau, porque ajuda mais para confundir do que para entender o casamento singular nos dias de hoje entre o modelo da soberania e o da biopolítica. Tanto Stálin quanto Vargas, Mussolini, Hitler e Perón (entre outros) são exemplos de poder soberano de tipo autocrático, e que não sem um delicado debate podem se tornar ou não comparáveis.

O lado positivo do desentendimento que vemos foi o escancarar dos crimes dos liberais, tanto em sua vertente clássica quanto na que se estabeleceu no pós-guerra. Contudo, o debate de teor acadêmico acaba caindo no ridículo: Domenico Losurdo e Hannah Arendt aparecem como polos opostos, quase como se fossem rivais intelectuais, enquanto Churchill e Stálin se engalfinham para ver quem foi melhor ou “menos pior”.

O pequeno texto que segue é um breve estudo de caso, cujo intuito é mais esclarecer o debate político atual e mostrar, a partir de articulações já bem estabelecidas, as ambiguidades, limitações e perigos do singular casamento no séc. XXI entre soberania e biopoder.

Continue lendo “A posição de Trump diante do complexo industrial-militar”

Amigo, pode me dar um emprego?

No momento em que este texto está a ser escrito, durante a segunda semana de maio, 50 milhões de estadunidenses estão desempregados ou foram forçados a emprego em part-time. Mesmo antes deste colapso no emprego, cerca de 44 milhões dos mesmos não tinham emprego produtivo—em produção de bens, em manufatura, em construção, em extração mineira e sondagem e perfuração, em agricultura e em exploração florestal, em transportes—, nem eram cientistas ou engenheiros. Isto trouxe à luz o facto chocante de que, ainda antes da crise de coronavírus, já tinha havido a concretização da velha anedota: “Milhões estão inativos! —felizmente a larga maioria tem empregos.” Cerca de 69% da força de trabalho estadunidense (incluindo aqueles que estavam desempregados, ou que tinham desistido de procurar emprego e de fazer parte da força de trabalho) não tinham emprego produtivo. Isto era quase 120 milhões de pessoas (ver Figura 1). E, agora, uma enorme proporção desses estadunidenses tornou-se literalmente desempregada, ou foi forçada a trabalho em part-time.

Isto revela a absurdidade das definições convencionais de desemprego, pelas quais alguém quer trabalhar, mas não encontra um trabalho remunerado, i.e., não consegue receber rendimentos.

Continue lendo “Amigo, pode me dar um emprego?”

A captura do debate da Auditoria da Dívida pelos economistas acadêmicos

Formou-se um curioso debate entre professores, pesquisadores e pessoas que ocuparam cargos importantes no governo federal – todos economistas de profissão -, com o objetivo de dar maior precisão ao “gráfico em forma de pizza” da Auditoria Cidadã da Dívida. Correndo por fora do debate, pôde ser visto a dedicação do inteligente blogueiro do Cafezinho em corrigir a hipotética inflação do impacto da dívida pública no orçamento público, após a repetição de Ciro Gomes, em live, dos números do “gráfico em pizza”.

Continue lendo “A captura do debate da Auditoria da Dívida pelos economistas acadêmicos”

Ditadura ou Wuhan?

Os teólogos declararam que não podiam definir claramente o que Deus é, mas em seu nome eles ditavam regras de conduta para os homens e não hesitavam em queimar hereges; os virologistas admitem que não sabem exatamente o que é um vírus, mas em seu nome afirmam decidir como os seres humanos devem viver“. Giorgio Agamben, 22 de abril de 2020.

Continue lendo “Ditadura ou Wuhan?”

Putin e a busca por um novo Bretton Woods

A atual mudança geral da estrutura do governo da Rússia não tem relação, como a mídia internacional quer fazer crer, com a tentativa de implantar uma ditadura no país com Putin como novo Czar. Essa é a leitura da City de Londres, da The Economist e de todos os órgãos informativos que somente repercutem as ordens de seu senhores. Posicionando-se assim, ignoram os conflitos políticos internos do país, assim como o novo desenho econômico internacional hoje capitaneado por Rússia e China após a dissolução dos BRICS. É preciso olhar para Rússia sem o temor macartista, ou seja, através das lentes do imperialismo internacional. Um “novo pacto” é necessário, não apenas no Brasil como no mundo, para que se alcance novamente o crescimento econômico e o bem estar das populações, sem a praga do monetarismo e os fantasmas produzidos pela imprensa oligopolizada do eixo transatlântico.

Continue lendo “Putin e a busca por um novo Bretton Woods”

Pela exoneração de Lyndon LaRouche

Com a prisão de LaRouche, os EUA e o mundo foram privados de seu mais ilustre homem de Estado e economista. Porque as políticas de LaRouche para substituir a pilhagem mortal de Wall Street e da City de Londres por uma justa Nova Ordem Econômica Mundial de desenvolvimento universal em alta tecnologia, centenas de milhões de pessoas ao redor do mundo permanecerem na pobreza e dezenas de milhões perecerem sem necessidade. Foi somente com a recente adoção da China de políticas muito similares àquelas propostas por LaRouche há 50 anos, que o genocídio foi interrompido ao menos em boa parte do planeta.

Trecho do obituário de Lyndon LaRouche escrito pelos editores da EIR.
Continue lendo “Pela exoneração de Lyndon LaRouche”