A história do samba como história social do trabalho

O conceito de “rede de proteção” é fundamental para se compreender todo o processo da escravidão no século XIX e como também o advento do samba. Se houve uma revolução na historiografia nas últimas décadas (em linhas gerais, o escravo deixou de ser visto como passivo, mas capaz de se “negociação e conflito”, como num título de um livro clássico), é porque conseguiram criar essas redes, em especial através das comunidades islâmicas e as casas de candomblé, além das inúmeras redes de proteção, de negociação e de conflito que se abriram com o desenvolvimento urbano no mesmo século.  O caso emblemático é o do terreiro de Tia Ciata.

Continue lendo “A história do samba como história social do trabalho”