Wadih Damous expõe a lógica da prostituta

Segundo Barbara Cassin, ouvir os sofistas é a mesma tarefa da que destacava Benjamin, ou seja, ouvir as prostitutas para se conhecer os seus clientes. Isso também é o que Sade fazia antes de ter sido levado à Bastilha por ter querido fugir com a sobrinha de uma mulher poderosa. São esses os saberes perversos que hoje estão em circulação. Nada expõe melhor a lógica da “burguesia”, do neomacartismo que tomou, como uma histeria coletiva, bem mais as classes-médias que as populares, e levou – todos juntos – ao caótico quadro social atual. Não por acaso, não lembro se no Le Monde ou outra publicação importante, se disse que a desigualdade econômica no Brasil atual é idêntica à França do séc. XIX, a França estudada por Walter Benjamin. Tempos de perversão.